23 DE OUTUBRO: DIA DO AVIADOR

HOMENAGEM A SANTOS DUMONT

SEMANA DA ASA: 19 A 26 DE OUTUBRO

No Dia do Aviador cultivamos a memória de uma das nossas mais valiosas figuras históricas - Alberto Santos Dumont, um brasileiro reconhecido e condecorado em vários países.

Este gênio criativo nasceu em 20 de julho de 1873, em Palmira, hoje chamada Santos Dumont, em Minas Gerais.

Ele viu pela primeira vez um balão aerostático numa feira, na cidade de São Paulo, em 1888. Ali mesmo sentiu a sensação de subir com um balão às alturas, que somente aos pássaros era possível.

Depois da morte de seu pai, em 30 de agosto de 1892, mudou-se para Paris, na França. Correu atrás dos seus sonhos e conseguiu em 22 de março de 1898, em sua primeira ascensão aerostática.

Decidido a aperfeiçoar seus balões, fez em julho sua primeira ascensão livre com o balão de nome "Brasil", que mandou construir para seu uso pessoal. No mesmo ano, ainda em 18 de setembro, realizou a primeira experiência com o seu balão dirigível nº 01, sendo a primeira vez que um motor à explosão, adaptado a um veículo aéreo, funcionava no ar.

Na primeira tentativa de decolagem, chocou-se contra as árvores, pois decolou a favor do vento, conforme foi convencido pelas pessoas que assistiam.

Dois dias depois, a 20 de setembro de 1898, decolou contra o vento, conforme sua concepção. Para espanto da assistência, pela primeira vez na história da humanidade, um balão evolui no espaço, propulsionado por um motor a petróleo. Após este evento, aperfeiçoou, sua criação nos dirigíveis 2 e 3.

 

Até o balão dirigível nº 14, houve uma infinidade de experiências diversas que o deixaram famoso. A sua hélice e o motor serviram para as primeiras experiências com o aeroplano nº 14 Bis.

 

Entre os dias 25 de julho e 23 de outubro de 1898, no Campo de Bagatelle, em Paris, voou perante a Comissão Fiscalizadora do Aeroclube da França, ganhando a taça ARCH-DEACON, por realizar o primeiro vôo de aparelho mais pesado que o ar. Posteriormente, ele criou o nº 16, usando um motor.

Santos Dumont subvencionava suas atividades aeronáuticas com seu próprio dinheiro. Em 1901, encher um balão de 620 metros cúbicos com hidrogênio custava-lhe aproximadamente US$ 500,00.

Mais tarde foi transformado em biplano. No nº 18, a principal experiência foi um deslizador aquático e a tentativa foi demonstrada no Rio Sena.

Ele estava inclinado a crer que a verdadeira função dos veículos aéreos consistiria no transporte rápido de passageiros, correspondências e cargas. Santos Dumont tentou levar o mundo a partilhar de suas
idéias em vão.

Os homens mais eminentes não as aceitavam e a imprensa, noticiando os seus desastres, apelidava-o de "Santos Desmonta". Em 1902, entretanto, o Príncipe de Mônaco se ofereceu para construir um hangar, caso Santos Dumont quisesse levar os seus dirigíveis para Monte Carlo, durante o inverno.

Santos Dumont aceitou. O jovem brasileiro, com o seu ar afável e negligente, era visto em jantares com o Príncipe de Mônaco e em ceias com os grandes banqueiros. No mar, as embarcações faziam cortejo em sua honra. Célebres corredores de automóvel aceleravam os seus carros na estrada do litoral, chegando a ultrapassar 60 quilômetros por hora, para acompanhar o seu vôo.

Depois de muitas experiências com aparelhos que eram metade avião, metade balão, Santos Dumont galgou novos êxitos. Em 1906 deu ao mundo a primeira demonstração pública de vôo num aparelho "mais pesado que o ar". (Os irmãos Wright só vieram a voar publicamente em 1908.)

Criou depois os primeiros monoplanos bem sucedidos, construídos de bambu e seda japonesa que não pesavam, incluindo motor e aviador, mais que 110 quilos, os Libélulas.

Em 1909, resvalando pelas cercas e pelas copas das árvores na sua segunda Libélula, bateu um novo recorde, ao alcançar 95 quilômetros num percurso de oito quilômetros. Foi seu último triunfo.

Já em 1909, a aviação começava a escapar das mãos dos inventores para as dos engenheiros e mecânicos. Nos hangares, Santos Dumont encontrava homens mal-educados.

Os homens da aviação só pensavam em corridas e pequenos concursos para ganhar prêmios. Para um homem com a educação requintada e os ideais de Santos Dumont, isso era intolerável. E, por este motivo, retirou-se da arena.

Como ganhador do prêmio Nobel, Santos Dumont acreditava que as suas invenções haviam de tornar tão terrível a guerra, que os homens não pensariam mais nela. Tal convicção sofreu um rude golpe quando foi
declarada a Primeira Grande Guerra Mundial. O aeronauta isolou-se na sua casa, nos arredores de Paris, onde sofreu acessos de neurastenia, atribuindo a si a responsabilidade pelo conflito.

Nos anos que se seguiram ao Armistício, cada desastre de aviação avivava a sua crença de que a dádiva que fizera ao mundo era, na realidade, uma invenção infernal.

Voltando de navio para o Brasil, em 1928, ele presenciou um avião da Condor caindo no mar, matando seus tripulantes. Santos Dumont assistiu aos funerais e, depois, encerrou-se por vários dias num quarto de hotel.

Quando aconteceu o desastre do dirigível R.101, tentou se suicidar. Desde então, os parentes e amigos passaram a exercer estreita vigilância à sua volta. Durante a Revolução Paulista de 1932, Santos Dumont via passar, pelos céus de sua terra natal, a máquina concebida por ele, sendo utilizada como poderoso instrumento de destruição.

Aquele era o mesmo tipo de aeroplano que, um dia, dera a triunfante volta na Torre Eiffel! Um dos sobrinhos que sempre o acompanhava deixou-o sozinho por alguns momentos. Ao voltar, não mais o encontrou com vida.

Santos Dumont morreu no dia 23 de julho de 1932, no Guarujá. Desistiu da vida com a mágoa de ver seu invento, criado para servir, sendo usado para destruir o homem.

Seu coração se encontra no salão nobre da Academia da Força Aérea, em Pirassununga, em artístico escrínio de ouro, para que os oficiais que lá se formam possam sentir sua nobreza e seu pulsar indefinidamente, nos corações de todos os brasileiros.

ÚLTIMA CARTA DE SANTOS DUMONT

"São Paulo, 14 de julho de 1.932
Meus patrícios. Solicitado pelos meus conterrâneos mineiros moradores neste Estado, para subscrever uma mensagem que se reivindica a ordem constitucional do pais, não me é dado, por motivo de moléstia, sahir do refugio a que forçadamente me acolhi, mas posso, ainda, por essas palavras escriptas, affirmar-lhes, não só o meu inteiro applauso, como também o apello de quem tendo sempre usado a gloria da sua Pátria, dentro do progresso harmônico da humanidade, julga poder dirigir-se em geral a todos os seus patrícios, como um crente sincero em que os problemas de ordem política e econômica, que ora se debatem, somente dentro da lei magna poderão ser resolvidos, de forma a conduzir a nossa Pátria á superior finalidade dos seus altos destinos.Viva o Brasil unido!Santos Dumont"

Reprodução do apelo de próprio punho de Santos Dumont, dirigido aos seus patrícios, aplaudindo o movimento em prol da constitucionalização da nossa Pátria.

Este documento foi escrito pelo glorioso brasileiro, pouco antes de sua morte precipitada pela ação dos aeroplanos a serviço da Ditadura. O documento foi entregue ao Assessor de Civismo com os seguintes dizeres:

"Ao C.L. Néco Pinheiro - Assistente de Civismo do L.16 para tirar xerocópias desta e enviar, para os Clubes de sua Divisão. Obrigado, Santos, 04.10.1980 - C.L. Rubens de Moura Leite, Veterano de 32 - do 3º B.C.V. - Setor Sul. Assinado : Rubens de Moura Leite"

Nota: A grafia utilizada na carta de Santos Dumont é original da época.

A CASA DE SANTOS DUMONT

Construída em Petrópolis, Estado do Rio de Janeiro, no antigo Morro do Encanto, foi planejada e construída por Santos Dumont, para servir de sua casa de verão. Em alusão ao local foi apelidada de "A Encantada".

Chalé alpino francês, em três pavimentos. O primeiro andar era uma pequena oficina; o segundo servia de sala de jantar e sala de estar e o último pavimento era o escritório, quarto de dormir e banheiro. Não tinha cozinha e as refeições vinham do Palace Hotel.

Do lado de fora existe um mirante que servia de observatório astronômico.

A escada recortada em forma de raquete é uma curiosidade que chama a atenção do visitante.
É que só se pode começar a subi-la com o pé direito.

Localização: Rua do Encanto, 22 - Centro (próximo ao Relógio de Flores)
Ano de Construção: 1918
Visitação Pública - 3ª à Domingo das 9:30 às 17:00 hs.

Fonte: vários sites

O poema, abaixo, descreve o nosso herói.

SANTOS DUMONT (O Pai da Aviação)
*João Ayres=MG=20/07/1873 +23/07/1932
(19/10/1901)= Primeiro vôo do balão dirigível
(23/10/1906)= Primeiro vôo do aeroplano

Em linda fazenda, no estado de Minas Gerais,
Dona Francisca deu à luz a um menino predestinado de nome Alberto.
O menino viveria sonhos fenomenais.
Em estudos e brincadeiras, seria um garoto diferenciado.
Alberto adorava mecânica e observar o vôo das aves.
Púbere, estudou no Rio de Janeiro como sempre o quis.
Especializando-se em ciências, divertia-se com os entraves.
Depois, Alberto foi estudar aeronáutica na França; Paris.

Nessa época, os balões ficavam à deriva dos ventos.
Presos a uma corda eram sustentados por pessoas em terra.
Alberto montou oficina e, ali, dedicava o seu tempo.
O balão dirigível para Alberto, seria realidade e não quimera.
Em Paris, Alberto inventou o primeiro balão dirigível.
Nos vôos, desfraldava a Bandeira brasileira para comemorar.
Com afã, Alberto pesquisa e busca outro invento a alto nível.

Nos sonhos, queria e agora quer aparelho mais pesado que o ar!
Na oficina, Alberto faz e orienta os operários como um mestre.
Constrói o "14 Bis", prende-o ao balão e sobe aos céus às experiências.
Pronto, o "14-Bis" percorre sessenta metros; estava realizado o teste!
Alberto marca o dia do primeiro vôo e avisa a todos com antecedência.
O Clube dos Aeronautas iria ver um dos maiores inventos da ciência...
O "14 Bis voou trezentos metros, perante uma multidão embasbacada.
Ali, em Bagatelle, Paris, o primeiro vôo da história sem qualquer dúvida.
Nuvens, dentro do céu infinito, avistam o "14 Bis" e abrem-se à aviação.
Alberto Santos Dumont acreditou e fez. Fez o que muita gente duvidava!

"Dizer que os irmãos Wright foram os inventores do avião, é fala de americano brincalhão!!!"

Autor: Manuel de Almeida (MANAL)

Webdesigner: Lika Dutra

Qual a sua opinião sobre esta matéria?
Envie suas críticas e sugestões.

Clique aqui

Deseja enviar esta página para um "Velho Amigo"?
Clique Aqui