26 DE JULHO

DIA DOS AVÓS

VOVÓ QUERIDA
Autora: Laura Lellis

AVÓS
Autor: Rivaldo Cavalcante

AVÓS, DIVERSÃO OU FORMAÇÃO?
Autora: Mónica Bulnes de Lara
Enviado por: Laura Lellis

DIA DOS AVÓS
Autor: Ary Franco

DIA DA AVÓ
Autora: Silvia Maria Nunes

QUERIDOS AVÓS
Autora: Sandra Mamede
Enviado por: Carlos Luiz Grilo de Almeida

BOM DIA, VOVÓ
Autor: Paulo Kwamme

SABEDORIA DE AVÓ...
Autora: Maria Sanz Martins

TESTAMENTO DE UMA AVÓ
Autor: Não mencionado
Enviado por: Yna Beta

NOSSOS AVÓS
Autor: Paulo Kwamme

VOVÔ NEM É TÃO VELHO...
Autor: Não mencionado
Enviado por: Oscar Moreira

VOVÓS MODERNAS
Autora: Zeli de POA

AVÓS, O MÁXIMO!!!
Autor: Não mencionado


VOVÓ QUERIDA

Os netos nem querem provar,
O manjar gelado com ameixa.
Eles só pensam em aprontar,
E é isto que vovó não deixa...
 
Se gostam ou se desgostam,
Já não sei mesmo lhes dizer,
Conversam, pulam, apostam,
Que um pudim "ela vai fazer!"
 
Pudim de leite, outro de queijo.
De laranja, e, também, de pão.
De chocolate, um grande beijo,
E muitos outros,... no coração!
 
Nota: Dedicado às Avós do Site Velhos Amigos!
Bjs, Laura Lellis

Autora: Laura Lellis


Avós

São os Anjos da Guarda dos netos, bisnetos e tataranetos, que se tornam espelhos para todos eles.
Experiência, amor, carinho, sorrisos, condescendência, perdão, tudo isto enfeita a vida dos avós.
Os avós são papariqueiros, imaginando que netos e netas são gênios em miniatura. Os netos adoram esse tratamento especial.

E é justamente daí que começa um novo aprendizado, fora da tutela dos pais, para os netos e netas.
Logo cedo eles começam a amá-los. Muitos filhos até preferem mais o convívio dos avós do que dos país.
É como escrevi na minha crônica NETOS VINDOS DO CÉU: "Os netos são como bengalas que ajudam os avós nas suas caminhadas".

Deles, os netos e netas tiram a sabedoria e a experiência de suas vidas. Eles tiram dos rostinhos lindos dos netos o amor por inteiro, amor sem frente. O amor sem ranços nem arestas.
Não tive avô, só tive avó. Mas esta foi um anciã da alma de escola. Uma dessas criaturinhas que demoramos a encontrar por onde andamos.

Que os netos e netas saibam colher todo néctar das flores que medram nos corações do vovô e da vovó e que nunca pereça essa fonte de sabedoria.

Autor: Rivaldo Cavalcante


Avós, diversão ou formação?

Um dos grandes valores na formação dos filhos é o respeito pelas gerações anteriores à sua.

Os filhos devem conhecer desde pequenos a importância de escutar os avós, não só por serem pessoas mais idosas, como também pelo grande valor da experiência que uma pessoa com tantos anos vividos possa ter.

Nesta época, em que impressiona a habilidade que até mesmo as crianças têm para conhecer todo tipo de aparelho eletrônico, parece que os pais e avós estamos anos luz atrasados no que são os interesses infantis. No entanto, o que realmente os fará serem donos de si mesmos e se desenvolverem melhor como pessoas, será aprender a se relacionar melhor com a vida diária; para isso, não existe aparelho que proporcione esta habilidade.

Somente a orientação de pessoas que já passaram pela mesma idade, que já percorreram o caminho que a criança apenas está iniciando, vai trazer a sabedoria necessária para que ela se torne uma pessoa íntegra e feliz.

Existem muitas maneiras de ajudar nossos filhos a aproveitar a convivência com os avós. Por exemplo, uma atividade familiar que pode ser muito divertida e instrutiva para toda a família é conhecer a história completa dos pais. Existem livros especiais, vendidos em qualquer livraria, que trazem perguntas e espaços suficientes para que os avós respondam, descrevendo suas experiências e histórias.

Com certeza, não é preciso adquirir nenhum livro. Qualquer caderno cumpre as mesmas funções e, uma vez terminado, podem ser organizadas reuniões para conhecer a história dos avós, criando lembranças que durarão toda uma vida. Além disso, esta atividade terá um valor agregado: a família conhecerá suas origens, sendo esta uma fonte de conhecimento para entender quem somos e porque reagimos de determinada maneira.

Os avós podem educar de muitas maneiras!

Ser avô é uma fase da vida que deve estar cheia de satisfações e diversão, especialmente quando não são os principais responsáveis pela educação das crianças.

Hoje em dia, existem cada vez mais casamentos nos quais ambos trabalham. Desta maneira, os avós voltam a ser os principais formadores de crianças, uma vez mais. Esta é uma tarefa importantíssima, no entanto, muito pesada, já que os avós não contam com a mesma energia dos tempos passados e, muitas vezes, a mesma autoridade.

Então, de acordo com o papel desempenhado na vida de seus netos, suas atividades e responsabilidades serão distintas. Se vêem os netos periodicamente, exclusivamente como visitas, o papel é claro: somos avós e, como tais, podemos dar caramelos e deixá-los dormir mais tempo do que o necessário. Mimá-los, em toda a extensão da palavra.

Porém se, diariamente, sua função é de criá-los enquanto seus filhos estão trabalhando, então os privilégios mudam. Os avós se tornam “pais secundários”, por este motivo a formação dos netos adquire um lugar prioritário em suas vidas e a disciplina e autoridade devem ser aplicadas, sendo mais esporádicos os “momentos divertidos”.

As complicações que esta responsabilidade traz consigo são muitas: o dilema de querer mimar o neto versus a necessidade de educá-lo adequadamente, o possível desacordo que possa existir entre a linha aplicada pelos pais do neto na educação do mesmo, o reconhecimento de que nossos projetos pessoais passam para um segundo plano.

Devemos lembrar que primeiro estão as crianças e não nosso gosto por fazer o que queremos. Conhecendo o papel que jogamos na vida de nossos netos, saberemos a função que temos que desempenhar. Se assumirmos a responsabilidade de ser formadores, o preço a pagar é o de ser avó de tempo integral.

Desta maneira, funcionar como avós ou como formadores deve ser uma decisão que somente nossos pais devem tomar. Nós, como seus filhos, devemos respeitar e aceitar seus limites e disposições com agradecimento, já que temos de reconhecer que eles já cumpriram com sua função de pais e, se aceitarem cuidar das crianças enquanto estamos trabalhando, estarão fazendo muito mais do que cumprir suas responsabilidades ou obrigações, pela simples generosidade de seu coração.

Autora: Mónica Bulnes de Lara
Enviado por: Laura Lellis


DIA DOS AVÓS

Nós, ostentando orgulhosamente os galardões de avós, atingimos este elevado patamar na família, graças ao que assimilamos durante anos de aprendizado, fazendo longo estágio como pais, aprendendo com nossos filhos levarmos a bom termo esta sublime missão.

Nessa corrida de nossa existência, passamos o bastão e ganhamos nossos netos para então, enquanto pequenos, acariciá-los, aconchegá-los em nossos colos, beijá-los, amá-los... Ficando por conta de nossos filhos a parte árdua e gratificante de criá-los e educá-los, como fizemos nós com eles.

No entanto, estamos fadados a sermos avós por curto tempo; só enquanto tivermos “netinhos”. Logo, logo, o tempo passa célere e eles crescem tão rapidamente que não teremos tempo de acompanhá-los. Passamos simplesmente a receber esporádicas notícias do desempenho de cada um na luta pela independência total de suas vidas.

Universidades, empregos, promoções, casamentos, família constituída, transferências para lugares distantes e inalcançáveis para nós. Já idosos, ficamos à mercê de uma eventual visita, um telefonema,  um abraço apertado, um beijo carinhoso... uma lembrança de que ainda estamos por aqui.

Não obstante, temos certeza de que, se necessário for, poderemos contar com a ajuda deles numa ocasião aflitiva. Daqui de longe, continuamos orando por eles, pedindo a Deus para que sempre recebamos notícias alvissareiras sobre os filhos de nossos filhos.

Seremos felizes, sabendo da felicidade deles.

FELIZ DIA DOS AVÓS, PARA NÓS!

Autor: Ary Franco


DIA DA AVÓ

Amigas, mais um dia de comemoração que chega sem alarde e sem o apelo comercial: "Dia da Avó"! Acabei de ler na Internet! Fiquei pensando em como as coisas mudaram!!! pensei na minha avó (minha primeira grande paixão!), aparentando muito mais idade, comum naquela época, seus cabelos brancos, como toda avó que se prezasse, rsrsrs, seu não fazer nada, somente esperando a hora de ficar comigo.

Verdade! Ela era assim, paixão correspondida! Nossos passeios, viagens, pracinhas e parquinhos. Suas noites sem dormir quando "pegava" aquelas mazelas comuns da infância, ("montava" acampamento na minha casa, apesar de morarmos uma em frente a outra). Quando me levava, mais tarde, para os bailes de calouro, formaturas ou outro "arrasta pé" em casa de amigas(os) (sim, alguém tinha que "tomar conta"!!), e muito mais tarde, troquei de lugar: levei-a para BOATES!!!! Foi o "maior barato! Nunca me esqueço da cara de espanto que fazia!!rsrsrs.

Hoje, sentada aqui escrevendo para vocês, vejo como tudo mudou! Não temos cabelos brancos (pelo menos pintamos!), estudamos muito, trabalhamos, "malhamos", liberdade para morarmos sózinhas, viajar, enfim, uma vida completamente diferente de nossas avós, onde o fogão, a arrumação da casa, os tricôs e crochês (a minha era conhecida como "mãos de ouro"!), os papos com os vizinhos no portão de casa era o social e meu avô!!

Seu objetivo era a espera da neta! Amigas, vejo meu neto com 1 ano e 3 meses manuseando os controles da tv e do cp, o celular, esperto que só ele, (como todas hoje em dia) e eu mal sabendo o que é "blutufe"!!!! Estou voltando a "estudar" a fim de acompanhar todo esse modernismo, senão ficarei "por fora" dos assuntos e passarei a ser uma "velhachataqñentendenada"!!!!rsrsrs

Pelo menos ainda tenho saúde física e mental para aprender (até disso começo a duvidar!) É uma paixão mais tranquila, serena, sem maiores compromissos (essa missão é dos pais!), sem maiores cobranças (como "cobrei"!) mas.....ARREBATADORA!!!!!

Paro "porraqui", pois o telefone está tocando: nesse horário deve ser ele para "falar" comigo! bjs.....da "fófó" (essa palavrinha mágica ele já fala, fazendo cara de coruja pra mim, esperando alguma nova brincadeira! tem coisa melhor??? acho que nem mais "aquilo"!!!!) Fui!... alô, paixão??? É a vovó!!

Autora: Silvia Maria Nunes


QUERIDOS AVÓS

A vocês
que nos cercam de muito carinho,
de muito amor.
Que nos fazem todas as vontades.
Que nos dão tudo sem nada pedir.
Que nos amam mais que a si próprios.
A vocês, meus queridos avós,
que Deus os abençoe cada dia mais.
Que nos dê a bênção
de sempre tê-los conosco,
nos dando muito amor,
nos passando experiências,
nos ouvindo com carinho,
nos "dengando",
nos orientando,
nos aconselhando,
nos suportando
sempre com muita paciência.
Vocês são para nós, seus netos,
um grande exemplo de experiência,
de trabalho,
de honestidade,
de paciência,
de fé,
de firmeza,
e principalmente de muito amor.
Amamos vocês...

Autora: Sandra Mamede
Enviado por: Carlos Luiz Grilo de Almeida


Bom Dia, Vovó!

O tempo passa e, felizmente, estás presente em nosso meio. Agora, a bênção do agradecido, por ter nas mãos o relicário de tua presença. Tua netinha está feliz e sonha com a tua também.

O dia 26 de julho é somente teu, e é consagrado como o dia da graça e da paz. Os vovôs, mérito de muito bem viver e ser o centro, mesmo não sendo o principal no comando. Ele formou uma comunidade e deve ser colocado na sua vida como o grande em seu lar.

Na minha condição, a minha homenagem é pra vovó de minha filha: Dona Lurdes, a mãe da mãe que continua sendo a primeira, pois fez tudo muito bem feito. Criou a sua netinha. E a Jéssica, uma moça bem comportada, agradece.

E quem presta esta homenagem é um felizardo que ganhou a sorte grande, com um prêmio que lhe foi dado pelo grande Pai do Céu.

Viva aos mestres do saber na experiência de uma vida longa e do carinho e afeto e do seguro abraço enquanto a vida existir. Viva a todos os vovôs e vovós de todos os cantos do mundo.
Todos os dias são deles.

Autor: Paulo Kwamme


SABEDORIA DE AVÓ...

Uma colaboração (não um conselho) pra você

Quando eu for bem velhinha, espero receber a graça de, num dia de domingo, me sentar na poltrona da biblioteca e, bebendo um cálice de vinho do Porto, dizer a minha neta:

- Querida, venha cá. Feche a porta com cuidado, sente-se aqui do meu lado. Tenho umas coisas para te contar.

E assim, dizer apontando o indicador para o alto:

- O nome disso não é conselho, isso se chama colaboração! Eu vivi, ensinei, aprendi, caí, levantei e cheguei a algumas conclusões. E agora, do alto dos meus anos, quero dividir com você.

Por isso, vou colocar mais ou menos assim:
- É preciso coragem para ser feliz.
Seja valente.
Siga sempre o seu coração.
Para onde ele for, seu sangue, suas veias e seus olhos também irão.
E satisfaça seus desejos. Esse é seu direito e obrigação.
Entenda que o tempo é um paciente professor que irá te fazer crescer, mas a escolha entre ser uma grande menina ou uma menina grande, vai depender só de você.
Tenha poucos e bons amigos.
Tenha filhos.
Tenha um jardim.
Aproveite sua casa, mas viaje ...vá a Fernando de Noronha, ao Pantanal...
Cuide bem dos seus dentes.
Experimente, mude, corte os cabelos.
Não corra o risco de envelhecer dizendo "ah, se eu tivesse feito..."
Tenha uma vida rica de vida.
E de verdade, acima de tudo!
Viva romances de cinema, contos de fada e casos de novela.
E tome sempre conta da sua reputação, ela é um bem inestimável.
Porque, sim, as pessoas comentam, reparam e, se você der chance, elas inventam também detalhes desnecessários.
Se for se casar, faça por amor. Não faça por segurança, carinho ou status.
A sabedoria convencional recomenda que você se case com alguém parecido com você, mas isso pode ser um saco!
Prefira a recomendação da natureza, que com a justificativa de otimizar os genes da reprodução, sugere que procure alguém diferente...
Mas para ter sucesso nessa questão, acredite no olfato e desconfie da visão.
É o seu nariz quem diz a verdade quando o assunto é paixão.
Se o casamento não der certo opte pela vida.
Faça do fogão, do pente, da caneta e do papel seus instrumentos de criação.
Leia, pinte, desenhe, escreva.
E, por favor, dance, dance, dance até o fim, senão por você, o faça por mim.
Compreenda seus pais. Eles te amam para além da sua imaginação, sempre fizeram o melhor que puderam e sempre o farão.
Cultive os bons amigos.
Eles são a natureza ao nosso favor e uma das formas mais raras de amor.
Não cultive as mágoas - porque se tem uma coisa que eu aprendi nessa vida é que um único pontinho preto num oceano branco deixa tudo cinza.
Era isso minha querida. Agora é a sua vez.
Por favor, encha mais uma vez minha taça e me conte:
- Como vai você?

Autora: Maria Sanz Martins


TESTAMENTO DE UMA AVÓ

Queridos netos,

A Vó não sabe brincar com vocês, porque só sei brincar de passado e vocês só sabem brincar de futuro. E ainda estarei brincando de recordação quando vocês começarem a brincar de esperança. Mas antes que eu me torne apenas um retrato na parede, uma referência dos meus entes queridos ou até uma lágrima de minha filha, quero lhes dizer uma coisa que considero muito importante para os seus momentos de dúvida. Porque eles ocorrerão e todos serão preciosos.

Quero lhes dizer, queridos netos, o que vale a pena.

- Vale a pena crescer e estudar.
- Vale a pena conhecer pessoas, ter namorados e namoradas, sofrer ingratidões, chorar algumas decepções e- apesar de tudo isto (ou por causa de tudo isto)- ir renovando todos os dias sua fé na bondade essencial da criatura humana e o seu deslumbramento diante da vida.
- Vale a pena verificar que não há trabalho que não traga recompensa, que não há livro que não traga ensinamento, que os amigos têm mais para dar que os inimigos para tirar, que, se formos bons observadores, aprenderemos tanto com a obra do sábio quanto a vida do ignorante.
- Vale a pena ver que toda a amargura nos deixa reflexão, toda tristeza nos deixa a experiência e toda alegria nos enche a alma de paz.
- Vale a pena casar e ter filhos. Filhos que nos escravizam com seu amor e nos concedem a felicidade de tê-los junto a nós e vê-los crescer. Filhos que, ao crescerem um pouco, já discutem conosco, acham que sabem bem mais que nós (e às vezes sabem mesmo) e nós aprendemos com eles.
-Vale a pena viver estes assombrosos tempos modernos em que os milagres acontecem ao virar de um botão, em que se pode telefonar da terra para a lua, lançar sondas espaciais, máquinas pensantes, à fronteira de outros mundos. E descobrir que toda essa maravilha tecnológica não consegue, entretanto, atrasar ou adiantar a chegada da primavera.
- Vale a pena viver, mesmo com todas as limitações a que o ser humano está sujeito, quando lembramos que o surdo vê a luz do sol, que o cego ouve a música das coisas, que o mendigo sonha com as estrelas, que não precisamos de todos os sentidos para participar do esplendor da criação.
- Vale a pena mesmo sabendo que vocês verão coisas que eu nunca vi, assim como vejo coisas que meus pais não viram, e meus pais viram coisas que meus avós não viram.
- Vale a pena, certamente - o saber acumulado dos cientistas e especialistas que revelarão coisas que a mim não foram reveladas. Pode ser que vocês conheçam seres vindos de outros planetas, o que para mim é teoria e especulação, assim como a televisão e outras invenções foram teoria e especulação para meus avós já falecidos.
- Vale a pena, mesmo quando vocês descobrirem que tudo isso que estou mencionando é de pouca valia, porque a teoria não substitui a prática e cada um tem de aprender por si mesmo que o fogo queima, que o vinagre amarga, que o espinho fere e que o pessimismo não resolve rigorosamente nada.
- Vale a pena até mesmo envelhecer como eu e ter netos como vocês, que me devolveram a infância e a juventude.
- Vale a pena mesmo que eu parta e suas lembranças de mim se tornem vagas. Mas quando outros disserem coisas boas de seus avós, espero que vocês possam dizer de mim simplesmente isto:

"Minha avó foi aquela que me disse que valia a pena....E não é que ela tinha razão?"

Autor: Não mencionado
Enviado por: Yna Beta


NOSSOS AVÓS

Como é lindo o amanhecer dos filhos que amam seus pais e os netos que sentem o mesmo por seus avós de cabelinhos brancos.
Um dia sempre será pouco para aquele ou aquela que, quase sempre no mundo de hoje, é a grande proteção dos netinhos, ajudando seus filhos financeiramente ou dando seu tempo na ajuda a ambos.
Como é triste a separação dos pais. É um golpe no lar para seus filhos, que ficam ao desamparo.
Mas, como um presente de Deus, surgem os avós, com seu manto de carinho e força de quem lutou muito na vida, conquistando tudo, e ainda tendo tempo para criá-los.
Só fico triste quando um filho esquece seus pais em um asilo, como um trapo qualquer. O que, no amanhã, pode esperar de seus protegidos de hoje? Um tratamento diferente?
Viva o filho que ama seus progenitores. Com certeza eles darão o mesmo amor e a proteção devida até o fim de seus dias.
Viva aos bons velhinhos.
Dia 26 de julho é lindo, com Sol ou com chuva.
Autor: Paulo Kwamme


VOVÔ NEM É TÃO VELHO...

Uma tarde, o neto conversava com seu avô sobre os acontecimentos e, de repente, perguntou:

- Quantos anos você tem, vovô?

E o avô respondeu:

- Bem, deixa-me pensar um pouco... Nasci antes da televisão, das vacinas contra a pólio, comidas congeladas, foto copiadora, lentes de contato e pílula anticoncepcional.

Não existiam radares, cartões de crédito, raio laser nem patins on line.

Não se havia inventado ar-condicionado, lavadora, secadora (as roupas simplesmente secavam ao vento).

O homem nem havia chegado à lua, "gay" era uma palavra inglesa que significava uma pessoa contente, alegre e divertida, não homossexual.

Das lésbicas, nunca havíamos ouvido falar e rapazes não usavam piercings.

Nasci antes do computador, duplas carreiras universitárias e terapias de grupo.

Até completar 25 anos, chamava cada homem de "senhor" e cada mulher de "senhora" ou "senhorita".

No meu tempo, virgindade não produzia câncer.

Ensinaram-nos a diferenciar o bem do mal, a sermos responsáveis pelos nossos atos.

Acreditávamos que "comida rápida" era o que a gente comia quando estava com pressa.

Ter um bom relacionamento, era dar-se bem com os primos e amigos.

Tempo compartilhado, significava que a família compartilhava férias juntas.

Não se conhecia telefone sem fio e muito menos celulares.

Nunca havíamos ouvido falar de música estereofônica, rádios FM, fitas cassetes, CDs, DVDs, máquinas de escrever elétricas, calculadoras (nem as mecânicas, quanto mais as portáteis).

"Notebook" era um livreto de anotações.

Aos relógios se dava corda a cada dia.

Não existia nada digital, nem relógios nem indicadores com números luminosos dos marcadores de jogos, nem as máquinas.

Falando em máquinas, não existiam cafeteiras automáticas, micro-ondas nem rádio-relógios-despertadores.

Para não falar dos videocassetes ou das filmadoras de vídeo.

As fotos não eram instantâneas e nem coloridas. Havia somente em branco e preto e a revelação demorava mais de três dias. As de cores não existiam e quando apareceram, sua revelação era muito cara e demorada.

Se em algo lêssemos "Made in Japan", não se considerava de má qualidade e não existia "Made in Korea", nem "Made in Taiwan", nem "Made in China". Não se havia ouvido falar de "Pizza Hut", "McDonald's", nem de café instantâneo.

Havia casas onde se compravam coisas por 5 e 10 centavos. Os sorvetes, as passagens de ônibus e os refrigerantes, tudo custava 10 centavos.

No meu tempo, "erva" era algo que se cortava e não se fumava.

"Hardware" era uma ferramenta e "software" não existia.

Fomos a última geração que acreditou que uma senhora precisava de um marido para ter um filho.

Agora me diga quantos anos acha que tenho?

- Hiii... vovô... mais de 200! Falou o neto.

- Não, querido, somente 58.

Enviado por: Oscar Moreira


VOVÓS MODERNAS

A figura da avó não é mais daquela mulher que descansa numa cadeira de balanço, faz crochê ou prepara bolinhos de chuva à tarde.
Elas são mamães duas vezes, são a voz da experiência, algumas cozinheiras de mão cheias.
Muitas ajudam na educação dos netos, cuidam deles na ausência dos pais e fazem de tudo para se aproximar e dar carinho.
Elas agora são modernas, mergulham nas ondas da internet, respondem e-mail, entram em redes sociais como o Orkut, se relacionam com outras avós no Site Velhosamigos. Não há regras nem limites para cumprir a missão de ser avó, um universo cheio de histórias.
Por isso que as avós ganharam de presente um dia especial no calendário mundial, para serem sempre lembradas.
Parabéns a todas as avós do site dos Velhosamigos.
Um beijo, amiga Zeli de POA.

Autora: Zeli de POA


AVÓS, O MÁXIMO!!!
(Texto de uma neta, lido nas Bodas de Ouro dos avós).

Perguntaram a uma menina de nove anos o que ela gostaria de ser quando crescesse. Ela respondeu: - Eu gostaria de ser avó! Ao ser interrogada sobre o porquê dessa idéia, ela
completou:
- Porque os avós escutam, compreendem. E, além do mais, a família se reúne inteirinha na casa deles.
E a menina continuou:
- Uma avó é uma mulher velhinha que não tem filhos. Ela gosta dos filhos dos outros.
Um avô leva os meninos para passear e conversa com eles sobre pescaria e outros assuntos parecidos. Os avós não fazem nada, e por isso podem ficar mais tempo com a gente. Como eles são velhinhos, não conseguem rolar pelo chão ou correr. Mas não faz mal. Nos levam ao shopping e nos deixam olhar as vitrines até cansar. Na casa deles tem sempre um vidro com balas e uma lata cheia de suspiros. Eles contam histórias de nosso pai ou nossa mãe quando eram pequenos, histórias da Bíblia, histórias de uns livros bem velhos com umas figuras lindas.
Passeiam conosco mostrando as flores, ensinando seus nomes, fazendo-nos sentir seu perfume.
Avós nunca dizem "depressa, já pra cama" ou "se não fizer logo, vai ficar de castigo". Quase todos usam óculos e eu já vi uns tirando os dentes e as gengivas.
Quando a gente faz uma pergunta, os avós não dizem: "menino, não vê que estou ocupado?" Eles param, pensam e respondem de um jeito que a gente entende.
Os avós sabem um bocado de coisas. Eles não falam com a gente como se nós fôssemos bobos. Nem se referem a nós com expressões tipo "que gracinha!", como fazem algumas visitas.
O colo dos avós é quente e fofinho, bom de a gente sentar quando está triste. Todo mundo deveria tentar ter um avô ou uma avó, porque são os únicos adultos que têm tempo para nós.


Webdesigner: Lika Dutra

Qual a sua opinião sobre esta matéria?
Envie suas críticas e sugestões.

Clique aqui

Deseja enviar esta página para um
"Velho Amigo"?

Clique Aqui

<< Clique Aqui para voltar