ENTRE NESTE NOVO MUNDO

SEMANA DA PÁTRIA
INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
7 DE SETEMBRO

 

Clique aqui pra ler mais sobre a Independência

PÁTRIA MINHA
Autor: Vinícius de Moraes

A minha pátria é como se não fosse, é íntima
Doçura e vontade de chorar; uma criança dormindo
É minha Pátria. Por isso, no exílio
Assistindo dormir meu filho
Choro de saudades de minha Pátria.
Se me perguntarem o que é a minha pátria, direi:

Não sei. De fato, não sei
Como, por que e quando a minha pátria
Mas sei que a minha pátria é a luz, o sal e a água
Que elaboram e liquefazem a minha mágoa
Em longas lágrimas amargas.

Vontade de beijar os olhos de minha pátria
De niná-la, de passar-lhe a mão pelos cabelos...
Vontade de mudar as cores do vestido ( auriverde!) tão feias
De minha Pátria, de minha pátria sem sapatos
E sem meias, pátria minha
tão pobrinha!

Porque te amo tanto, pátria minha, eu, que não tenho
Pátria, eu semente, que nasci do vento
Eu, que vou e não venho, eu, que permaneço
Em contato com a dor do tempo, eu, elemento
De ligação entre a ação e o pensamento
Eu, fio invisível no espaço de todo o adeus
Eu, o sem Deus!

Tenho-te, no entanto, em mim como um gemido
De flor; tenho-te como um amor morrido
A quem se jurou; tenho-te como uma fé
Sem dogma, tenho-te em tudo em que não me sinto a jeito
Nesta sala estrangeira com lareira
E sem pé-direito.

Ah, pátria minha, lembra-me uma noite no Maine, Nova Inglaterra
Quando tudo passou infinito e nada terra
E eu vi Alfa e Beta de Centauro escalarem o monte até o céu
Muitos me surpreenderam parado no campo sem luz
À espera de ver surgir a Cruz do Sul
Que eu sabia, mas amanheceu...

Fonte de mel, bicho triste, pátria minha
Amada, idolatrada, salve, salve!
Que mais doce esperança acorrentada
O não poder dizer-te: aguarda...
Não tardo!

Quero rever-te, pátria minha, e para
Rever-te me esqueci de tudo
Fui cego, estropiado, surdo, mudo
Vi minha humilde morte cara a cara
Rasguei poemas, mulheres, horizontes
Fiquei simples, sem fontes.

Pátria minha... A minha pátria não é florão, nem ostenta
Lábaro não; a minha pátria é desolação
De caminhos, a minha pátria é terra sedenta
E praia branca; a minha pátria é o grande rio secular
Que bebe nuvem, come terra
e urina mar.

Mais do que a mais garrida a minha pátria tem
Uma quentura, um querer bem, um bem
Um libertas quae sera tamen
Que um dia traduzi num exame escrito:
"Liberta que serás também
E repito!

Ponho no vento o ouvido e escuto a brisa
Que brinca em teus cabelos e te alisa
Pátria minha, e perfuma o teu chão...
Que vontade me vem de adormecer-me
Entre teus doces montes, pátria minha
Atento à fome em tuas entranhas
E ao batuque em teu coração.

Não te direi o nome, pátria minha
Teu nome é pátria amada, é patriazinha
Não rima com mãe gentil
Vives em mim como uma filha, que és
Uma ilha de ternura; a ilha
Brasil, talvez.

Agora chamarei a amiga cotovia
E pedirei que peça ao rouxinol do dia
Que peça ao sabiá
Para levar-te presto este avigrama:
"Pátria minha, saudades de quem te ama...
Vinícius de Moraes."

Fonte: Antologia Poética
Ed. do Autor. RJ. 1960


Acróstico-didático do Hino Nacional Brasileiro
Sílvia Araújo Motta (*)

H-Há uma Lei aprovada, de exigência oficial
I-Inalterável, exige em seu artigo primeiro.
N-No patriótico Hino Nacional Brasileiro,
O-Orgulho do Povo no Congresso Nacional,

N-Na música, tocada somente em Si Bemol,
A-Atento ritmo "cento e vinte", na execução,
C-Canto obrigatório sempre em uníssono,
I-Indicado para voz em tom de Fá Maior.
O-Orquestra,Banda ou Coral em exata "disposição".
N-Na melodia, sons da Independência do Brasil.
A- Autoria de Francisco Manuel da Silva,(RJ)
L-Letra oficial de Ozório Duque Estrada.(RJ)

B-Batista Siqueira confirma a oficialização
R-Realmente em mil oitocentos e noventa,
A- A seguir dois anos da aprovação da República.
S-Sabemos que o Hino foi cantado na Abdicação
I-Imprevista de D. Pedro I, em 7 de abril.(1831).
L-Letra imortal escrita (1909) e aprovada(1922).
E-Enfim, a primeira letra da partida de "D. Pedro I"
I-Indicada dez anos até a letra para a Coroação,
R-Retificada apenas em alguns termos da letra de
O-Ovídio Saraiva de Carvalho e Silva.(1841).


Dia da Independência do Brasil

(Valeriano Luiz da Silva)

Foi o sonho de D.Pedro ver o Brasil liberto...

Praquela época parecia tudo certo

Mas o Brasil cresceu

E se desenvolveu.

É um país de contraste

De maioria tratada como traste

País de solo fértil onde tudo que se planta dá.

Mas no dia da independência muitos não têm o que comemorar

Sete de setembro fogão apagado

Na casa do descamisado

Não tem café coado

E comida é coisa do passado

País rico em diversidade

Poderia ser o celeiro da humanidade

Um dos maiores países do mundo

Onde não há guerrilhas e a maioria possui um amor profundo.

A esperança é que acabe a fome
e tenha menos desigualdades.

Que melhore as condições de estudo
e o pobre vá pra Universidade.

Que seja diminuída a carência

E também a violência.

II

Independência ou morte foi o grito forte...

Dado por D. Pedro que ainda
ecoa do sul ao norte.

Do colonizador o Brasil se libertou

Mas nossa Pátria amada continua lamentando sofrimento e dor...

Valeriano Luiz da Silva
www.albumdepoeta.com
Enviado por Damaris

Para acessar matérias anteriores,
clique na caixa abaixo.

 

Qual a sua opinião sobre esta matéria?
Envie suas críticas e sugestões.

Clique aqui

Deseja enviar esta página para um "Velho Amigo"?
Clique Aqui

<< Clique Aqui para voltar