2º DOMINGO DE MAIO

9 DE MAIO DE 2010

DIA DAS MÃES

 

MATERNIDADE
Autora:
Mírian Warttusch

MULERES SÃO TECELÃS
Autor: Rita Liks
Enviado por: Janaina Arruda


HOMENAGEM ÀS MÃES
Autor:
: João Gomes de Souza

MINHA MÃE
Autor: Luiz Maia

POEMA DAS MÃES
Autor: Giuseppe Ghiaroni
Enviado por: Alexandre Peixe dos Santos

NO DIA DAS MÃES NEM TUDO SÃO FLORES!
Autor: Rivaldo Cavalcante

HOMENAGEM PARA AS MÃES
Autor: Paulo Kwamme

SER MÃE
Autor: Sá de Freitas

MÃE
Autor: Carlos Luiz Grilo Almeida

COM AMOR, À MINHA MÃE
Autora: Beth Posada

MINHA MÃE
Autora: Detinha M. Tabosa

MÃE!
Autor: Fernando Reis Costa

VERSO PARA MAMÃE
Autora:
Nina Rocha

MÃE, GOSTO DE VOCÊ
Autora:
Lena Pedrosa

OS OLHOS DAS MÃES
Autora:
Neide Borges

CARTA DE UMA MÃE
Autora:
Maria Eduarda Gonçalves de Melo

POR FAVOR, ME TOQUE!
Autor: Phyllis Koehler Davis
Enviado por: Yêda Saraiva

MÃE
Autor: Rivaldo Cavalcante

SAUDADE DE MINHA MÃE
Autora: Mírian Warttusch

DIA DAS MÃES
Autor: Giuseppe Ghiaroni
Enviado por: Luiz Roberto

O FILHO PREFERIDO
Autor: Não Mencionado
Enviado por: Lena Viola

MÃE
Autor: Mário Quintana


MATERNIDADE

Meu doce e amado filho pequenino,
Cuja mãozinha terna e graciosa,
Repousa no meu seio com carinho,
Tão leve como a pétala da rosa.

Assim, querido, no meu colo dormes,
Qual anjo delicado ou meigo querubim,
Caiu do céu como uma prenda enorme
Que Deus mandou, benévolo, pra mim.

Ele é tão lindo, quando adormecido,
Com mil sonhos em sua cabecinha...
Quando acordado, me olha enternecido,
Velo por ele, qual fada madrinha.

Um bem que veio ter à minha vida,
Para alegrá-la e só me dar prazer.
Uma emoção jamais por mim sentida,
Extravasou, então, pelo meu ser.

Tão bela obra esta que se cria,
Eu e ele unidos para sempre, assim,
É uma ode de amor, esta poesia,
Que se eterniza e jamais terá fim.

Paixão tão doce que eu estou sentindo,
Tal sentimento não posso conter.
Rindo ou chorando esse menino lindo,
Faz tão mais forte o coração bater!

Infinitas horas de colóquio manso,
Entre nós dois, como um lindo segredo,
Carícias ternas das quais não me canso,
Um romance calmo de real enredo.

Não consigo descrever tamanho amor
Que nos uniu desde a concepção.
Plantei a semente, vi nascer a flor,
Que se abriu no útero e no coração.

Autora: Mírian Warttusch



MULHERES SÃO TECELÃS

Enviado por: Janaina Arruda


HOMENAGEM ÀS MÃES
M
Ã
E

Hoje o dia amanheceu mais bonito.
Sabe por quê?!
Você existe !
M =  MARIA  -  MAIO  -  MÃE
A  =  ALEGRIA  -  AMOR  -  AMADA
E  =   ESPERA  -  ESPERANÇA  -  ETERNIDADE.

MÃE: Doce palavra pronunciada.
Meu abraço amigo
com carinho,
Autor: João Gomes de Souza

MINHA MÃE

Hoje resolvi falar com você, minha mãe. Pedindo licença, vou entrar em sua casa, implorando desculpas por, muitas vezes, ter esquecido de agradecer as coisas boas que aprendi estando ao seu lado. Quero passear de mãos dadas às suas por caminhos que já conheço, estradas que um dia deixei de valorizar. Quando ainda era um menino, a senhora parecia ser tão grande... Diante de nós dava a ideia de ser um mulherão! Hoje, ao vê-la sentada na cadeira, com poucos e ralos cabelos brancos, fez-me recordar o tempo em que a via correndo com o chinelo atrás de mim. Quantas vezes assistia passivamente às guerras de travesseiros, ao jogo de bola quebrando as vidraças das janelas de nossa casa. Mas o máximo que acontecia era tomarmos uma palmadinha de leve ou recebermos um ameaça quando dizia: "esperem o seu pai chegar". Na verdade era tudo encenação de mãe. Do que a senhora gostava mesmo era de nos oferecer carinho e amor, por meio de tantas lições que aprendemos ao longo da vida.
 
Existe em mim a necessidade de tocar seu rosto e cada móvel espalhado por salas e terraços, detalhes que não me saem do pensamento. Debruçado sobre lembranças, adentrarei sua casa, beijarei seu rosto e pedirei licença para contemplar as flores de seu jardim. Depois abraçarei quem me pôs no mundo, para me redimir das ausências sem motivos aparentes. Se possível, desejo agora afagar suas mãos em total agradecimento por ter cuidado de mim quando eu mais precisei. Quando, meio perdido, tentava ser gente, ser alguém num mundo repleto de imperfeições. Como pude ignorar seu zelo, sua graça, a harmonia silenciosa nesse seu jeito admirável de ser? Eu nunca ressaltei sua importância em minha vida, querida mãe. O quanto que foi imprescindível no meu aprendizado quando quis me ensinar a cartilha para que eu fosse um homem de bem.
 
Nas vezes em que eu a esqueci, nem imaginei que um dia poderia se ressentir diante dessa indiferença. Logo você, a quem tanto amo e por quem nutro imenso carinho. As ausências que nos afastaram não merecem ser esquecidas, mas já fui há muito por você perdoado. Por isso amo a vida, além de ser grato à minha mãe por ser generosa. Devo-lhe a vida e os meus melhores momentos. Seus ensinamentos me fizeram uma pessoa feliz, alegre e satisfeita com a presença de Deus no meu caminhar. Mas um dia eu esqueci tudo. Embora eu saiba que o próprio mundo esquece, eu nunca poderia esquecer sua presença em cada passo meu, já que sua vida me é cara por ser um exemplo para mim. A serena liberdade estampada em seu rosto não é comum à maioria das pessoas, já que a senhora nasceu para ensinar seu canto livre. Por isso lhe peço: afasta de nós a ilusão do esquecimento!

Desejos de um feliz fim-de-semana!

Autor: Luiz Maia


POEMA DAS MÃES

Mãe! hoje eu volto a te ver na antiga sala
onde uma noite te deixei sem fala
dizendo adeus como quem vai morrer.
E me viste sumir pela neblina,
porque a sina das mães é esta sina:
amar, cuidar, criar e depois perder.
Perder o filho é como achar a morte.
Perder o filho quando, grande e forte,
já podia ampará-la e compensá-la.
Mas nesse instante uma mulher bonita,
sorrindo, o rouba, e a velha mãe aflita
ainda se volta para abençoá-la.

Assim parti, e nos abençoaste.
Fui esquecer o bem que me ensinaste,
fui para o mundo me deseducar.
E tu ficaste num silêncio frio,
olhando o leito que eu deixei vazio,
cantando uma cantiga de ninar.

Hoje volto coberto de poeira
e te encontro quietinha na cadeira,
a cabeça pendida sobre o peito.
Quero beijar-te a fronte, e não me atrevo.
Quero acordar-te, mas não sei se devo,
não sinto que me caiba este direito.

O direito de dar-te este desgosto,
de te mostrar nas rugas do meu rosto
toda a miséria que me aconteceu.
E quando vires e expressão horrível
da minha máscara irreconhecível,
minha voz rouca murmurar:''Sou eu!"

Eu bebi na taberna dos cretinos,
eu brandi o punhal dos assassinos,
eu andei pelo braço dos canalhas.
Eu fui jogral em todas as comédias,
eu fui vilão em todas as tragédias,
eu fui covarde em todas as batalhas.

Eu te esqueci: as mães são esquecidas.
Vivi a vida, vivi muitas vidas,
e só agora, quando chego ao fim,
traído pela última esperança,
e só agora quando a dor me alcança
lembro quem nunca se esqueceu de mim.

Não! Eu devo voltar, ser esquecido.
Mas que foi? De repente ouço um ruído;
a cadeira rangeu; é tarde agora!
Minha mãe se levanta abrindo os braços
e, me envolvendo num milhão de abraços,
rendendo graças, diz:
"Meu filho!", e chora.

E chora e treme como fala e ri,
e parece que Deus entrou aqui,
em vez de o último dos condenados.
E o seu pranto rolando em minha face
quase é como se o Céu me perdoasse,
me limpasse de todos os pecados.

Mãe! Nos teus braços eu me transfiguro.
Lembro que fui criança, que fui puro.
Sim, tenho mãe! E esta ventura é tanta
que eu compreendo o que significa:
o filho é pobre, mas a mãe é rica!
O filho é homem, mas a mãe é santa!

Santa que eu fiz envelhecer sofrendo,
mas que me beija como agradecendo
toda a dor que por mim lhe foi causada.
Dos mundos onde andei nada te trouxe,
mas tu me olhas num olhar tão doce
que , nada tendo, não te falta nada.

Dia das Mães! É o dia da bondade
maior que todo o mal da humanidade
purificada num amor fecundo.
Por mais que o homem seja um mesquinho,
enquanto a Mãe cantar junto a um bercinho
cantará a esperança para o mundo!

Autor: Giuseppe Ghiaroni
Enviado por: Alexandre Peixe dos Santos


NO DIA DAS MÃES NEM TUDO SÃO FLORES!

Nem tudo é festa! Nem tudo é sorriso!
Há lágrimas, desespero, saudades, solidão, arrependimentos, lamúrias e separações de casais.

LÁGRIMAS
choradas pelos filhos que partiram precocemente deste mundo ou dos que não tiveram a felicidade de nascer. Pelos filhos arrebatados pela brutalidade das guerras de todos os tipos, em todos os lugares, e tamanhos. Dos que viraram heróis ou mártires nos campos de batalhas ou foram vitimados no cumprimento dos seus deveres.

DESESPERO
pelos filhos transviados, que preferem trocar o lar abençoado, pelo tugúrio amaldiçoado das drogas, da embriaguez, dos crimes.

SAUDADES
dos filhos distantes que fugiram da tutela materna e ganharam o mundo e dos que, em busca de sucesso e felicidade, trabalham ou estudam em outras plagas.

ARREPENDIMENTO
pelo modo errado como criaram e orientaram seus filhos, pelos abortos criminosos cometidos sem piedade.
Pelos bebês jogados covardemente nas cestas de lixo e nas sargetas.

LAMÚRIA
porque no dia festivo das Mães, há mães que abdicaram desse dom de Deus, e se entregaram à  vida da orgia e devassidão, sem tomar conhecimento dos filhos.

DIVÓRCIOS
de pais que não souberam ou não puderam realizar o sonho de um casamento feliz e duradouro e encontraram no divórcio a solução dos seus problemas; com sérias consequências psicológicas para seus filhos que, de repente, arcaram com as agruras do desamor. Triste epílogo de um romance que tinha tudo para dar certo. E os filhos pagam caro por esta nova moda dos casais!

Assim transcorre o dia das Mães. Alegre de um lado e triste do outro. Figurativamente o simbolismo do dia das Mães é efêmero, já que todo dia é dia delas; de todas as camadas sociais, de todos os perfis de educação, das que trabalham duro e das que curtem a far niente. Das negras, das brancas, das que são Mães de verdade e das que fingem ser Mães.

Neste festivo dia das Mães: lindas, saudáveis e maravilhosas, lembremo-nos das mães que debilitadas e exauridas, encontram-se anônimas nos Asilos ou Casas de Caridade, de onde com certeza, oram pela felicidade dos filhos.

Lembremo-nos também de reverenciar a memória de nossas mães falecidas; que nos legaram a vida, que nos educaram, que em noites indormidas, velaram por nosso sossego, no aconchego de um berço macio de cetim. Saudade, mamãe, de você onde Deus a colocou, certamente num local de absoluta paz, harmonia, e de luz.

Que este dia seja de alvíssaras, de festas, abraços, lágrimas de contentamentos e da oferenda de presentinhos para selar o acontecimento, na forma da ética e do amor!

Parabéns Mães e que suas vidas sejam um manancial de graças e bênçãos.

Autor: Rivaldo Cavalcante


HOMENAGEM PARA AS MÃES

Hoje, sexta feira, é o dia que devo homenagear, pois domingo é para descansar, e não para escrever.
Bom, já destaquei a data em outra mensagem, mas para mãe não tem limite. Como a senhora é mãe biológica, e também o é de uma legião de velhos amigos, que todos os dias estão presentes e necessitados de sua proteção, no conselho, na instrução e na correção de nossos textos para saírem corretos.
E a todas as mães a homenagem de todos os filhos, presentes e distantes, um abraço e um carinhoso beijo, dizer como é bom ter nascido.

Hoje, a minha não está mais presente. Fez tudo de sua missão e está na constelação de Deus como uma linda estrelinha; e eu, seu filho, todos os dias sinto sua presença e percorro o caminho que ela me ensinou.
Viva a todas as mãezinhas reverenciadas no dia mais sagrado, o segundo domingo de maio.

Obrigado pelo carinho que dedica a todos nós, querida Mãe e Amiga Lou Micaldas.

Autor: Paulo Kwamme


SER MÃE

Ser mãe é dar de tudo, e à si nada querer;
É amar, mais do que ama a sua própria vida;
É disfarçar sorrindo a dor de uma ferida,
Para evitar que um filho seu, venha a sofrer.

Ser mãe é entregar-se inteira à luta insana,
Para orientar, amar e compreender, perdoando;
Ser mãe é atravessar as noites, sempre orando,
 Por um filho que enfrenta a turbulência humana.

Ser mãe é padecer sem nunca lastimar;
É se esquecer de si e não deixar faltar,
Tudo que um filho seu precisa na jornada.

Ser mãe é ser alguém que ri, que chora e canta;
Ser mãe é ser um misto de mulher e Santa.
Que dá sempre o que pedem e, à si, não exige nada.

Autor: Sá de Freitas


MÃE

Não só hoje, mas todos os dias
 Penso em ti com meu carinho
 Ao ver-me forte cheio de vida
 Devo a ti que me guiaste.

Deu-me a vida
 Ensinou-me a vivê-la
 Dos problemas resolvê-los
 Dos medos me deste as mãos
 Fazendo calmo meu coração.

Muitas vezes
 Não só Mãe foste pra mim
 Pai, amigo, irmão, companheira das brincadeiras.

Sempre davas um jeitinho
 De poder me acompanhar.
 Segurou as minhas mãos
 Me mostrando o caminho a seguir

Hoje sei como sofreste
 Quando enfim soltou-me as mãos
 Para que eu seguisse em frente.

Hoje sei
 Que aplaude meus sucessos
 Se entristece com meu pranto
 Sei também que sempre estás
 Braços abertos a me esperar.

Quero hoje minha
 Mãe te dizer de coração
 Peço a Deus que te abençoe
 Sempre em minha oração

E te abraço hoje e sempre
 Com muito amor e gratidão.

Autor: Carlos Luiz Grilo de Almeida


COM AMOR, À MINHA MÃE

Quando a dor que amarga meu peito,
For uma eterna doce lembrança,
Imagens de uma guerreira,
Alegre, forte e bonita,
Que em sua aparência dizia,
O amor e energia,
De que era feito seu ser.
Soube ser desde a infância
Resignada e querida.
Agradeço sempre a Deus por sua vida,
Seus 90 anos de amor,
Dedicados inteiramente
A mim e a meus dois irmãos.
Passou união e bondade,
Qualidades que a fizeram
Viver a vida tão leve!
Transformando dor em coragem
Que eu espero sempre ter,
Para suportar a saudade
Até nos encontrarmos outra vez.
Vivendo lada a lado,
Como filhas, irmãs ou amigas
Foram anos de amor e alegria.
E toda paz da eternidade,
Em que ela agora se encontra
Com nossos entes queridos,
Aquiete meu ser tão sofrido
Por não tê-la mais ao meu lado.
Quando elevo meus olhos,
Vejo a imagem serena em
Que ela agora se encontra.
Minhas lágrimas se derramam,
Amaciando meu peito.
Bálsamo para meu sofrer,
Cicatrizando sua presença física,
Clareando minha visão,
Vendo outras dimensões
Que me fazem renascer, e
Continuar a viver.
Guiada por seu querer
Por seu exemplo de viver,
Embalada pela música que ela sempre emanava
De seu espírito feliz,
Que a todos encantava.
Deus! Fazei-me crescer
E cada vez mais entender
Quão inútil é meu sofrer.
Já que sei que a vida é finita,
Mas tem toda a eternidade.
Aumentai a minha fé!
Que todos nos encontraremos!
Para poder beijá-la e abraçá-la.
Porque por mais que agradeça,
Ter vivido esses anos com ela
Somente a eternidade
Preencherá o vazio
E acalmará a dor da saudade.
Como um cometa, que risca o céu com sua luz
Minha mãe iluminou nossas vidas
De maneira tão vibrante
Que todos os dias acordo,
E a vejo brilhante,
Olhos azuis cintilantes,
Sorriso encantador.
Dançando, falando francês!
E num piscar de olhos se vai
Num flash a realidade vem,
Até que durmo e acordo
Esperando por vê-la outra vez.

Autora: Beth Posada
12-janeiro-2009


MINHA MÃE

Enrugada a sua face
Pequena e envelhecida
Que reflete sem disfarces
A realidade da vida.

Foram anos de amor,
De labuta pela vida,
Marcas de insônia e dor,
Por todo o tempo sentidas.

No acalanto dos filhos
E, em seguida, dos netos
Da vida seguiu os trilhos
Que levam, sempre, ao deserto.

Deserto de solidão,
A que a velhice conduz,
No seu rosto envelhecido,
Não há reflexos de luz.

No entanto, é uma santa,
Nada pede nem reclama,
E, o que mais me encanta,
É a forma como ama.

Esse ser admirável,
Por quem sinto imenso amor,
É minha mãe adorável,
Aquem eu rendo LOUVOR!

Autora: Detinha M. Tabosa


MÃE!

Ó minha mãe, ó minha querida mãe,
Amor que mais nenhum pode igualar!
Feliz… é todo aquele que ainda a tem
Saudoso… é quem só a pode recordar!

Revejo-te em meus sonhos, minha mãe,
E ouço aquelas cantigas d’embalar
E as histórias que tu, como ninguém,
Ternamente me contavas ao deitar!...

Lá no Céu, onde tu moras, certamente
Saberás que sou um filho orgulhoso
De quem me deu a vida e o amor!

Amor de mãe que lembro eternamente
Ao venerar a sua imagem saudoso
Porque outra não há com tal valor!...

Autor: Fernando Reis Costa


VERSO PARA MAMÃE

Mãe
Da rosa mais linda,
nasci como pétala suave!
Criei-me em teu aconchego,
embalada (o) por mãos de fada,
recebendo mimos e perfumes de carinho,
na beleza do teu colo,
jardim de amor!

Mãe
Essência que brota no peito
e enraíza na alma,
caule que sustenta
e fortalece o meu viver!

Mãe
Flor que alimenta o encanto!
És motivo do meu canto,
sou tua semente germinando ardente,
regada (o)  por tua paixão!

Mãe
Rosa rainha,
não arranha, não espinha,
preenche o mundo de cor!
Tens o verde da esperança,
lança-guia, recanto de emoção!

Mãe
Receba hoje com alegria,
com teus olhos de pureza,      
cheios de ternura,
esta homenagem, a minha certeza!
A gentileza, o meu amor e gratidão!
Te amo!

Autora: Nina Rocha


MÃE, GOSTO DE VOCÊ

Mãe, sua bondade e ternura falam-me de Deus-amor!
Mãe, você me faz sentir a vida, a beleza das cores,
a harmonia, o encanto e a doçura!

Mãe, hoje quero dizer-lhe um segredo muito especial: eu a adoro!
Eu sei também que, de seu coração,
brota sempre um gesto novo de amor e carinho!
Você é capaz de esquecer o sofrimento e a dor para me ver feliz!

Hoje, quero fazer por você uma prece muito bonita e sincera:
Meu Deus, abençoa esta criatura tão encantadora que me deu a vida.
Abençoa esta mulher, amiga, minha mãe, hoje e sempre!

Mãe, você é o maior bem que eu tenho neste mundo!
Olhando o céu aberto, contemplo o grande tesouro de paz,
sabedoria, paciência, bondade,
ternura e acolhimento que permeia o seu ser.
Você me faz crer, minha mãe,
que esta vida vale a pena ser vivida, quando entregue por amor!

Às vezes, quando a vida começa a ficar mais difícil,
pensando em você, mãe,
surge uma nova esperança e meu olhar começa a brilhar.
Você sempre espera de braços abertos o filho e a filha
que precisam mais uma vez do seu aconchego,
de sua compreensão e carinho, como se fosse a primeira vez.

Mãe! Presente de Deus para minha vida!
Mãe, recebe hoje meu abraço e todo o meu carinho!
E, agora, gostaria que o meu agradecimento
soasse mais forte do que todos os dias,
porque hoje,
mãe, é o seu dia!

Autora: Lena Pedrosa


OS OLHOS DAS MÃES

Os olhos das mães continuam a brilhar na penumbra da noite, mesmo depois de todas as luzes se apagarem...

Devemos nos colocar em sintonia com os princípios supremos e duradouros do Universo, avançando em épocas favoráveis e recuando nas desfavoráveis... Só assim podemos resguardar nosso destino.

Autora: Neide Borges


CARTA DE UMA MÃE

Mês de maio é dedicado a todas as mães, estejam elas próximas, presentes em nosso dia-a-dia, distantes, ou não mais fisicamente junto a nós, o importante é a certeza que temos que elas, mães queridas, sempre nos acompanharão. Isto porque somos, inevitavelmente, uma centelha de tudo que elas são ou foram. Numa alusão aos sentimentos do ser mãe, e em homenagem a todas elas, mães de ontem, de hoje e de amanhã. Carta de mãe para filha... Querida Ana Carolina, Hoje, 24 de abril de 2009, data de aniversário do teu nascimento! Dia que certamente todos os teus amigos hão de querer estar contigo, abraçar-te, comemorar festivamente ou simplesmente te enviar um abraço. Penso aqui distante o que dizer-te. Quais palavras usar para exprimir meus sentimentos de mãe saudosa. Quantos sentimentos dentro de mim... Emocionada por ter-te como filha, saudosa por estar distante. Orgulhosa por tudo que és. Feliz por tudo que consegues realizar. E um pouco infeliz, não sei se pela distância, pelo tempo que vai passando, e que já me atemoriza pensar que possas não entender a extensão do significado de ser tua mãe. Quando te ouço dizer que não pretendes ter filhos, fico triste, não por mim, porque nem sei se estaria junto de ti, se isto acontecesse, mas muito mais pelo fato, pela certeza de que, se isto se concretizar e nunca souberes o que significa ser mãe, nunca chegarás a conhecer o significado da palavra amar.Por este motivo, hoje, vou unir as duas coisas, o amor que sinto por ti e o sentimento de pensar que possas não passar pelos mesmos momentos de felicidade que senti quando há vinte e quatro anos atrás, vi pela primeira vez o teu rostinho lindo. Crescemos aprendendo a amar, primeiro a nossos pais, depois a nossos amigos, nos apaixonamos até por mais de uma vez, até o dia que conhecemos alguém que nos parece especial, diferente de todos os outros, e sem sequer pensarmos duas vezes deixamos todos os outros e seguimo-lo. Por momento algum nos passa a idéia que amor maior ainda está por vir. Até que temos o primeiro filho. De início é a emoção de gerar uma nova vida, um novo componente, mas ainda desconhecido. Mas com o passar dos dias, vamos nos afeiçoando cada vez mais, e sem que nos apercebamos, logo, logo esta criaturinha indefesa toma conta de tudo que somos de tudo que temos de todo o amor que temos capacidade de sentir. Logo percebemos que nada mais supera o que sentimos por ele. Perdemos a capacidade de amar a quem quer que seja mais do que a esse filho. Mesmo aquele outro amor, já não nos parece nada significativo. Filha, espero que um dia mudes de idéia. Não deixes de ter um filho teu. Podes ter muitos, adotados, igualmente amados, mas não deixes de ser mãe. Porque só sendo mãe, vais entender o verdadeiro significado do Amor. Ser mãe, como eu sou de ti, é ser sempre feliz, mesmo distante, mesmo com todas as dificuldades. Ser forte mesmo que frágil, sem forças. Ser valente, mesmo sentindo medo diante de todos os problemas e barreiras que se tenha de transpor. Se sentir grandiosa, mesmo que modesta. Enfim, filha, ser mãe, é ser uma mulher como eu, que aprendeu a maior lição que a vida poderia ter ensinado: o verdadeiro sentido do amor. Quando nasceste, filha, ensinaste-me tudo isto, com tua presença. E eu tentei passar para ti tudo de melhor que eu tinha. sei que não foi muito, que poderia ter sido bem mais, que errei por diversos motivos. Nunca duvides que tudo que consegui ser, te ofereci, recebeste o melhor que eu tinha e te daria muito mais, se o tivesse. E sempre hei de te dar, basta que eu tenha. A qualquer instante de minha vida, seja hoje, amanhã, enquanto eu existir tudo que tenho, tudo que sou, doarei sempre a ti e a tua irmã, que foram as filhas queridas que tive. Pode ser que ao leres estas palavras, te emociones, ou não. Digam-te alguma coisa, ou não. Não importa, porque algum dia, se te tornares mãe, ao lê-las, as entenderás em todo o seu conteúdo e significação. Dizer que te desejo muitas felicidades pelo teu aniversário, nenhuma relevância terá para nós. Importante é guardares contigo a certeza de meu amor eterno. Eterno poderá te parecer um exagero, mas não para uma mãe. Porque se for verdade que viver não é somente passarmos por uma mera existência terrena, certamente hei de te acompanhar sempre onde for que estiver eu ou tu, minha filha querida. Beijinhos minha filha amada, para sempre, tua mãe.

Autora: Maria Eduarda Gonçalves de Melo


"Por favor, me toque"

Se sou bebê,
Por favor, me toque.
Preciso do seu afago de uma maneira que talvez nunca saiba.
Não se limite a me banhar, trocar a minha fralda e me alimentar,
Mas me embale juntinho de você, beije meu rosto e acaricie meu corpo.
Seu carinho gentil e confortador me transmite segurança e amor. Se sou criança,
Por favor, me toque.
Ainda que eu resista e até o rejeite,
Insista, descubra um jeito de atender minha necessidade.
Seu abraço de boa noite adoça meus sonhos.
Seu carinho de dia me diz o que você sente de verdade.
Se sou seu adolescente,
Por favor, me toque.
Não pense que eu, por estar quase crescido, já não precise saber que você ainda se importa.
Necessito de seus braços carinhosos, de uma voz terna.
Quando a vida fica difícil, a criança em mim volta a precisar.Se sou seu amigo,
Por favor, me toque.
Nada como um abraço afetuoso para eu saber que você pensa em mim.
Um gesto de carinho, quando estou deprimido garante que sou amado,
E me reafirma que não estou só.
Seu gesto de conforto talvez seja o único que eu consiga.
Se sou seu parceiro sexual,
Por favor, me toque.
Talvez você pense que sua paixão basta,
Mas só seus braços detém meus temores.
Preciso de seu toque terno e confortador, para me lembrar que sou amado apenas porque eu sou.
Se sou seu filho adulto,
Por favor, me toque
Embora eu possa até ter minha própria família para abraçar,
Ainda preciso dos seus braços quando me machuco.
Como filho adulto, a visão é diferente,
Eu os estimo mais ainda.
Se sou seu pai idoso,
Por favor, me toque,
Do jeito que me tocaram quando era bem pequeno.
Segura minha mão, sente-se perto de mim, dê-me força
E aqueça meu corpo cansado com sua proximidade.
Minha pele, ainda que enrugada, adora ser afagada,
Não tenha medo,
Apenas me toque.

Autor: Phyllis Koehler Davis
Enviado por: Yêda Saraiva


Mãe
Ensinaste-me
a rezar e eu aprendi como encontrar Deus,
a caminhar e segui pelo melhor caminho,
a dizer obrigado, com licença, desculpe, e aprendi a ser bem educado,
a dialogar e aprendi a ser amigo,
a amar e aprendi a valorizar as pessoas e a vida.
Falaste-me da vida e aprendi a ter um ideal,
da flor e aprendi a amar a natureza,
do amanhã e aprendi a ter esperança.
Mães nossas de cada dia.
Mães das broncas e dos perdões.
Mães das noites em claro, dos sorrisos, das lágrimas,
das preocupações, da bondade e do carinho.
Mães falecidas, mães desconhecidas, mas sempre presentes nas nossas vidas.
Mães de todas as horas.
Mães dos momentos lindos e dos tristes também.
Olhando-te, evoco os semblantes de
todas as mães.
Da negra, da pobre, da rica, da que trabalha, da desempregada, da que vive longe e da que está perto dos filhos, das mães solteiras, das que sofrem por causa dos filhos e das que não têm condições de exercerem seu divino papel de mães, como fazia Nossa Senhora a Mãe de Jesus.
Parabéns!
Seus filhos que vos amam.

Autor: Rivaldo Cavalcante


SAUDADE DE MINHA MÃE

Quando é tarde demais, encontro o amor que te dedico.
Tarde demais, quando deixaste de existir, querida.
Tarde demais... e quando quieta, a relembrar-te fico...
Penso ter menos razão agora, a minha vida!
Parece ainda maior, a nossa casa tão mimosa...
E em cada canto, existe muda uma sentença.
No teu jardim, contida em cada rosa,
Sinto mais viva a chama da tua presença.
E nós teus filhos, saudosos, sós, acabrunhados,
Sentimos percorrer-nos, gélido arrepio,
Quando em teu quarto, olhos marejados,
Fitamos a tristeza de um leito vazio.
Aos pés do leito, quieto, muito amigo,
Numa atitude fraca, sem conformação,
Cabeça a repousar no teu chinelo antigo,
Tão branco e belo está fiel, teu cão!
Foi muito triste te perder, confesso!
Beijar tua mão fria, em derradeiro adeus.
Longe de ti, agora, humildemente peço:
"Tenha Deus piedade pelos erros meus"
Meu pensamento vaga... quero esquecer que te perdi...
Mas continua em mim, a imagem comovente,
Bem vívida, real, comigo, aqui,
Da minha mãe tão abatida, tão magra, tão doente!
No nosso lar, que com trabalho construíste,
Tinhas um modo estranho de nos dar afeto.
Não com palavras, o amor tu traduziste,
Não deixando faltar o que comer, e um teto!
Entendo, agora, como era o teu amor:
Bem escondido e feito de sinceridade;
E a tua perda, me traz tão grande dor,
Mesclada à imensidão deste saudade.
Se é que me escutas, quero te dizer,
Embora tarde, muito arrependida:
Eu deveria em teu lugar, morrer,
Pois te amo tanto, minha mãe querida!
Saudade, mãezinha!
Segue num sopro, em direção às estrelas, o meu mais fervoroso beijo e apertado abraço, e a minha devoção, ao lhe dizer com amor:
Que "BELEZA DE MÃE" foi você!

Autora: Mírian Warttusch


DIA DAS MÃES
Mãe! Eu volto a te ver na antiga sala,
onde uma noite te deixei sem fala
dizendo adeus como quem vai morrer.
E me viste sumir pela neblina,
porque a sina das mães é esta sina:
amar, cuidar, criar, depois... Perder. Perder o filho é como achar a morte.
Perder o filho quando, grande e forte,
já podia ampará-la e compensá-la...
Mas nesse instante uma mulher bonita,
sorrindo... O rouba!... E a velha mãe aflita,
ainda se volta para abençoá-la!... Assim parti... E nos abençoaste.
Fui esquecer o bem que me ensinaste.
Fui para o mundo me deseducar.
E tu ficaste num silêncio, frio...
Olhando o leito que eu deixei vazio...
Cantando uma cantiga de ninar!
Hoje volto coberto de poeira
e te encontro, quietinha na cadeira,
a cabeça pendida sobre o peito.
Quero beijar-te a fronte, e não me atrevo.
Quero acordar-te, mas não sei se devo,
não sinto que me caiba este direito.
O direito de dar-te este desgosto,
de te mostrar nas rugas do meu rosto
toda a miséria que me aconteceu.
E quando vires a expressão horrível
da minha máscara irreconhecível,
minha voz rouca murmurar:''Sou eu!"
Eu bebi na taberna dos cretinos;
eu brandi o punhal dos assassinos;
eu andei pelo braço dos canalhas.
Eu fui jogral em todas as comédias;
eu fui vilão em todas as tragédias;
eu fui covarde em todas as batalhas.
Eu te esqueci: as mães são esquecidas...
Vivi a vida, vivi muitas vidas,
e só agora, quando chego ao fim,
traído pela última esperança...
E só agora, quando a dor me alcança:
Lembro de quem nunca se esqueceu de mim...
Não!... Eu devo voltar... Ser esquecido...
Mas, que foi? De repente ouço um ruído;
a cadeira rangeu; é tarde agora!...
Minha mãe se levanta abrindo os braços
e, me envolvendo num milhão de abraços,
rendendo graças, diz:"Meu filho!", e chora.
E chora... E treme... E como fala e ri...
E até parece que Deus entrou aqui,
em vez de o último dos condenados.
E o seu pranto rolando em minha face...
Quase é como se o Céu me perdoasse
e me limpasse de todos os pecados.
Mãe! Nos teus braços eu me transfiguro.
Lembro que fui criança, que fui puro.
Sim, tenho mãe! E esta ventura é tanta,
que eu compreendo o que significa:
- O filho é pobre... Mas a mãe é rica!
- O filho é homem...
Mas a mãe é santa!
Santa que eu fiz envelhecer sofrendo,
mas que me beija como agradecendo
toda a dor que por mim lhe foi causada.
Dos mundos onde andei nada te trouxe,
mas tu me olhas num olhar tão doce que,
nada tendo, não te falta nada. Dia das Mães!
É o dia da bondade...
Maior que todo o mal da humanidade
purificada num amor fecundo...
E por mais que o homem seja um ser mesquinho...
Enquanto uma Mãe cantar junto a um bercinho...
- Cantará a Esperança para o mundo!...
Autor: Giuseppe Ghiaroni
Enviado por: Luiz Roberto

Este Poema de Ghiaroni, um dos mais lindos, se não for o mais de todos os tempos que eu conheço, ofereço a todas as MÃES do Site da Maturidade. E em especial à minha que não está mais aqui conosco, mas que continua a zelar por mim... Lá do Céu! Recebam todas o meu carinhoso e filial abraço, Luiz Roberto.


O FILHO PREFERIDO

Certa vez perguntaram a uma mãe qual era seu filho preferido, aquele que ela mais amava. E ela, deixando entrever um sorriso, respondeu: "nada é mais volúvel que um coração de mãe.E, como mãe, lhe respondo: o filho dileto é aquele a quem me dedico de corpo e alma, É o meu filho doente, até que sare. O que partiu, até que volte. O que está cansado, até que descanse. O que está com fome, até que se alimente. O que está com sede, até que beba. O que está estudando, até que aprenda. O que está nu, até que se vista. O que não trabalha, até que se empregue. O que namora, até que se case. O que casa, até que conviva. O que é pai, até que os crie. O que prometeu, até que se cumpra. O que deve, até que pague. O que chora, até que cale. E já com o semblante bem distante daquele sorriso, completou: o que já me deixou, até que o reencontre.

Autor: Não mencionado
Enviado por: Lena Viola


MÃE
Mãe...São três letras apenas
As desse nome bendito:
Também o céu tem três letras
E nelas cabe o infinito
Para louvar a nossa mãe,
Todo bem que se disser
Nunca há de ser tão grande
Como o bem que ela nos quer
Palavra tão pequenina,
Bem sabem os lábios meus
Que és do tamanho do CÉU
E apenas menor que Deus!

Autor: Mário Quintana


Webdesigner: Lika Dutra

Qual a sua opinião sobre esta matéria?
Envie suas críticas e sugestões.

Clique aqui

Deseja enviar esta página para um "Velho Amigo"?
Clique Aqui

<< Clique Aqui para voltar