DICAS DE SAÚDE

RESSALVA

Não sou médica e, mesmo se fosse, não poderia dar uma resposta sem fazer uma consulta pessoal. 
Sugiro ainda que não aceitem consultas virtuais.

AS CAUSAS DAS DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS

São desconhecidas. Geralmente, apresentam-se como uma característica da família. As pessoas que sofrem desses distúrbios geralmente apresentam outras alterações da personalidade (personalidade narcísica ou dependente). Podem-se diferenciar dois tipos de distúrbios: os agudos e isolados (dor de cabeça, urticária, etc) e os crônicos e gerais (asma, úlcera, alergia, etc).

Sintomas:

Os pacientes que geralmente manifestam esse tipo de doenças apresentam as seguintes características:

· alguma doença orgânica real;

· dificuldade para reconhecer e expressar os seus próprios sentimentos;

· um ego bastante fraco ou frágil, com escassos recursos psíquicos;

· relação entre o aparecimento da doença orgânica e os conflitos, principalmente de alto impacto emocional;

· escassa capacidade para tolerar fatores de estresse;

· escassa capacidade de simbolização.

As síndromes e os sintomas psicossomáticos mais freqüentes são os relacionados com o aparelho digestivo, o respiratório, os sistemas vascular, locomotor, endócrino, e cutâneo.

Os sintomas mais freqüentes são: dor de cabeça, náuseas, vômitos, dor abdominal, menstruações dolorosas, perda da consciência ou do desejo sexual.

Diagnóstico:

As pessoas psicossomáticas não têm consciência de que a origem dos seus problemas é fundamentalmente psicológica, exigindo dos médicos a realização de exames e tratamentos diversos. Depois de ter sido determinado que a alteração é psicológica, a diferença existente com relação a outras doenças é determinada segundo a quantidade de sintomas e a extensão dos mesmos. A descrição dramática dos sintomas feita pelo paciente também contribui para o diagnóstico.

Tratamento:

A doença psicossomática geralmente permanece durante toda a vida, com gravidade variável e períodos de remissão dos sintomas. Recomendam-se as terapias de contenção, que procuram que o paciente obtenha melhores recursos para enfrentar os fatores de estresse e possa identificar e expressar os seus sentimentos.

No caso de o paciente ser menor de idade, sugere-se tratar também os pais, pois a crise psicossomática pode estar indicando conflitos no relacionamento familiar.
(Fonte: Site Salutia)

VICIADA EM CHOCOLATE

Devorar muitos bombons em poucos minutos é uma forma de a mulher compensar a queda de serotonina no cérebro.

Será o chocolate realmente uma espécie de droga?
Alguns acreditam que sim. Achei este artigo interessante para fazer uma avaliação:

Chochito, bombom, chocolate diet, alfajor, chicabon, bôlo de chocolate, etc.

Será que tudo que eu gosto é imoral, é ilegal ou engorda? (Já dizia o Roberto).

E além de tudo agora é droga!

Que droga! Ô lôco, meu!

Há mulheres que têm um desejo incontrolável por chocolate. Embora as razões ainda não tenham sido totalmente esclarecidas pela psiquiatria, sabe-se que esse "vício" é mais freqüente na fase pré-menstrual, quando ocorrem alterações nos níveis hormonais e queda na produção de serotonina. "O déficit desse neurotransmissor aumenta a sensação de tristeza e abatimento, tornando a mulher irritável e deprimida", explica Simone Mancini Castilho, especialista em Transtorno Alimentar no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, em São Paulo.

O distúrbio, chamado craving (o termo é aplicado também para a compulsão por outros alimentos), não ocorre apenas pela textura, pelo aroma ou pelo sabor do chocolate. É que em sua composição existe um aminoácido, chamado triptofano, responsável pela produção de serotonina no cérebro, cujo efeito é relaxante. "O consumo de chocolate é maior no início da noite, justamente por aliviar a tensão vivida durante o dia", afirma Simone.

A dependência ocorre por conta de ingredientes psicoativos do chocolate, as metilxantinas, que provocam bem-estar, efeito semelhante aos canabinóides, presentes na maconha.
(Thaís Cavalheiro)


Qual a sua opinião sobre esta matéria?
Envie suas críticas e sugestões

Clique aqui

Deseja enviar esta página para um
"Velho Amigo"?

Clique Aqui