AMOR E SEXO

VOVÔ AMA A VOVÓ

VAGINISMO
(Falta de lubrificação na vagina)

Página criada em 16/11/2000

VAGINISMO

Como é que o casal vai fazer amor, sentir prazer, se a mulher está com a vagina tão sequinha sentindo dor?

O que é isso? Isso tem o nome de vaginismo. que acontece pela contração involuntária, espasmódica e dolorosa da vagina, impedindo a realização satisfatória do ato sexual.

A preocupação dos casais com um perfeito desempenho sexual vem causando insatisfações e cobranças de ambas as partes e lotando os consultórios de sexólogos e psicoterapeutas.

Algumas mulheres ficam ansiosas. Preocupam-se em atingir o orgasmo, em ser boa de cama, em não desapontar o parceiro.
Por medo do fracasso ou por exaustão na busca do bom desempenho, acabam sofrendo de problemas psicológicos que as impedem de sentir desejo sexual.

A lubrificação da vagina só é alcançada pela excitação. Se a mulher estiver preocupada, não conseguirá se excitar. Aí, a lubrificação vaginal não irá acontecer.

O medo da dor no momento da penetração, faz a mulher se contrair, provocando o ressecamento da mucosa, impedindo e o ato sexual.
Quando homens e mulheres sentem medo de algo, a boca não fica seca? Então, a vagina também fica.
A mulher não é culpada por isso. A contração o ressecamente são involuntários.

A vagina ressecada e contraída dificulta a penetração. É comum o parceiro excitado forçar a entrada do pênis, provocando atrito e ferimentos em ambos. Ele sai todo ralado, ardido e muitas vezes irado. Péssimo para a relação. Final de “festa” infeliz.

Resultado: muitos casais são levados a adiarem e até a desistirem do ato sexual.

Tudo poderia ser mais fácil e mais agradável se o casal tivesse informação sobre esse tipo de problema e menos cerimônia pra falar sobre suas dificuldades.

A mulher se cala, esconde, pensa que só ela é assim "seca". Sofre com isso e se sente inferior, anormal, culpada.

O homem se sente infeliz, incapaz. Muitas vezes, também se sente culpado por não saber como agir.

TIPOS DE VAGINISMO

O sentimento de culpa e/ou de medo deixam a mulher tensa, contraída, provocando o vaginismo de ordem psicológica.

Já as de ordem física podem ser causadas por inflamação na vagina e, geralmente, vem seguida de prurido, ardor e aumento de corrimento vaginal que pode apresentar mau cheiro.

É uma patologia que requer uma imediata consulta médica para evitar piores conseqüências.

Quando não é evidente a existência de doenças psíquicas ou doenças orgânicas, o vaginismo pode ser superado com muito carinho, numa relação madura, consciente, onde os dois se entregam livres e desembaraçados de preconceitos, aceitando naturalmente os impulsos sexuais.

Numa relação sexual sem traumas, a mulher excitada relaxa os músculos do órgão genital, produzindo a natural lubrificação no canal que se estende do colo do útero à vulva, facilitando a penetração do pênis.

MENOPAUSA

Na menopausa, entre os diversos distúrbios naturais e passageiros, como insônia, fogachos (calores seguidos de frios intensos), irritabilidade, pressão alta etc., ocorre um fenômeno demasiado incômodo que é o ressecamento da mucosa vaginal.

Uma consulta ao ginecologista é indispensável. Ele poderá prescrever uma reposição hormonal, o estrogênio, se for necessário, conforme cada caso.

Também pode receitar cremes hidratantes à base de hormônios que fortalecem a mucosa vaginal. A consulta ao médico vai, com certeza, trazer melhora pra todos os distúrbios, inclusive para a lubrificação vaginal.

SEJA PRÁTICA

Você pode dar uma ajudinha, uma incrementada. Compre um gel lubrificante , que é vendido em qualquer farmácia. É um lubrificante íntimo, solúvel em água, seguro e discreto, transparente e não gorduroso, não tem cheiro, nem mancha. Sua fórmula é semelhante à lubrificação humana natural. Falo tanto neste gel que merecia um patrocínio.
Hoje em dia, existe nas farmácias e drogarias uma variedade de opções que pode
tornar o sexo mais excitante, divertido e prazeroso.
O casal pode escolher: o gel que provoca sensação de calor na mucosa da mulher e é transmitida ao pênis no momento da fricção...E, claro, aumenta o prazer de ambos.
E existe o gel refrescante... tudo pode ser conversado e escolhido de comum acordo,pra sair da rotina e tornar o ato mais divertido.
E na falta do gel, apele pra até mesmo a saliva na hora H. Não dá tanto prazer pra quebra um galho.

MUDANÇA DE CONCEITOS

Além de procurar informação sobre as causas do vaginismo, é importante ainda que se modifique o conceito da atividade sexual.

O prazer sexual da mulher não deve ser vinculado à penetração. Isto é uma concepção tão antiga quanto equivocada.

Cabe a cada casal procurar as zonas erógenas que produzem maior prazer, e se convencer, de vez, que a maioria das mulheres só chegam ao orgasmo por meio da estimulação do clitóris.

Todas nós somos dotadas de clitóris e basta isso pra chegarmos ao orgasmo. Não vamos complicar!

Mesmo aquelas que possuem uma constituição física privilegiada, pelo tamanho e localização do clitóris, também alcançam o orgasmo porque o pênis atrita o clitóris, nos movimentos de vai-e-vem durante o ato.

É um tabu, uma fantasia também retrógrada, pensar que o ato só é perfeito e completo quando os dois "juntinhos" chegam ao clímax, no momento da penetração. É importante que se respeite o tempo da mulher. Deixe que ela goze primeiro, segure-se e depois vá com tudo em busca do seu.

FANTASIAS DE FILMES ROMÂNTICOS

Os filmes são muito lindos, muito românticos, mas as cenas de sexo não mostram o lado menos fotogênico após o ato, digamos assim: os homens nem dormem... continuam cheios de gás, fazendo declarações de amor... Nunca se viu o casal pegando lenços de papel para fazer a limpeza geral após o ato... E ainda transmitem uma imagem irreal de que todas as mulheres sentem um orgasmo enlouquecedor...

Deixe o homem dormir em paz!

A maioria precisa dessa dormidinha depois do ato, porque na ejaculação, muitos sais minerais são eliminados. Não se sinta mal-amada, nem desconsiderada por causa desse soninho reparador.

Vamos apreciar os filmes lá na tela e aproveitar a nossa realidade. Libertem-se de todas as regras, de todas as falsas imagens. Sigam seus ritmos particulares, obedeçam aos seus corpos! Eles avisam o que preferem.

O homem bem informado e compreensivo não exige que a mulher tenha um orgasmo em todas as relações. Ela pode estar querendo só um aconchego, um afago sem apelo sexual.

A mulher, segura do amor de seu parceiro, sente-se desobrigada a ser a "deusa do sexo", a "boa de cama", sempre que pratica o ato. Ela permite que ele "dê uma de coelho", se ela não estiver interessada em sentir orgasmo naquele momento. Doa-se por amor, com prazer, não precisa fingir orgasmo!

O BOM AMANTE

As preliminares devem ser exploradas ao máximo, com muito carinho, muito romantismo, compreensão e conhecimento do próprio corpo e do corpo do parceiro.

É importante que se saiba que a mulher precisa de mais tempo que o homem para atingir o orgasmo.

Enquanto o homem precisa de dois a três minutos de estímulo genital, a mulher necessita de 15 a 20 minutos de preparação para chegar ao clímax.

O bom amante é aquele que prolonga o ato. Ele tem o cuidado de atender a uma importante necessidade da sua parceira e, ao mesmo tempo, sente o gozo da arte de excitá-la.

Quanto mais ele prolongar as carícias, maior será o grau de excitação para os dois, antes e durante o ato.

Sem essas preliminares, a mulher não vai encontrar satisfação e, quando ela não se sente realizada sexualmente, sente-se usada. E o que poderia ser um momento de prazer, passa a ser algo cansativo e frustrante para os dois.

LIBERDADE COMPARTILHADA

Tudo é normal entre casais que se amam, que sentem tesão e que se respeitam mutuamente. Tudo é permitido desde que os dois concordem e sintam prazer nas práticas e inovações escolhidas.

Para o jogo do amor não existe juiz. Os participantes é que combinam as regras.

Antigamente, o sexo oral era coisa de prostituta. A mulher demonstrar prazer era doença grave, as fantasias e os filmes eróticos eram impensáveis num lar e o uso de acessórios, então, era "tara", desvio de conduta e outros rótulos, prejudiciais ao sexo gostoso e criativo..

O sexo é uma necessidade física, natural, que pode levar ao orgasmo.

MUDANDO O ALVO

Procure curtir todo o envolvimento amoroso, sem ansiedade e expectativa. O alvo não deve ser o orgasmo, nem a ereção, mas sim a troca de carícias, aproveitando tudo de bom, sem pressa...

A penetração do pênis é a ultima etapa desse jogo que tem tantos lances divertidos e deliciosos.

Massagear o clitóris durante a penetração provoca um efeito delicioso e um gozo mais profundo.

OS SINOS NÃO TOCAM

Muitas mulheres chegam a uma avançada idade, pensando que nunca sentiram orgasmo, pelo simples motivo de que elas nunca fizeram a menor idéia do que seja esta sensação.

A maioria imagina, idealiza o orgasmo como um sentimento enlouquecedor, estonteante, que a leve a ouvir os sinos tocando e a ver estrelinhas multicoloridas.

O orgasmo é uma sensação de prazer, que já começa com uma agradável excitação, que se distribui por todas as zonas acariciadas, seios, partes internas das coxas, pés, etc., provocando nas áreas genitais, leves contrações e espasmos, às vezes maiores e mais intensos e, outras vezes, quase imperceptíveis.

Quantas mulheres sentiram mais ou menos isso e, por que esperam muito mais, ficam decepcionadas, e vivem eternamente frustradas, julgando-se anormais por não sentire, o tão fantasiado "orgasmo"?

A expectativa delas era ver estrelas e sinos badalando...

SEXO FAZ BEM PRA SAÚDE

O Orgasmo ajuda a produzir endorfina, dopamina e serotonina, que são substâncias antidepressivas.

Também já existem estudos atestando ser a satisfação sexual excelente para o coração.
O Médico John Yamell, da Queen's University, de Belfast, afirma que os homens com mais de 45 anos, que têm pelo menos duas relações sexuais por semana, estão mais protegidos dos riscos de doenças cardíacas e de outras doenças, do que aqueles que fogem da relação com medo de morrer.

É claro que, se ele vai pra cama carregado de tensão, estará mesmo correndo um alto risco de enfartar.

Ninguém é obrigado a sentir necessidade sexual, nem precisa do orgasmo como única solução para fugir da depressão ou de doenças cardíacas.

Cada pessoa é única nas suas características particulares, nos seus desejos e necessidades. Não se compare a ninguém e nem cobre de você e dos outros qualquer sentimento que não seja espontâneo.

Não se deixe dominar pelo modismo, nem pela ditadura do sexo obrigatório.

Uma das causas do vaginismo é fazer sexo sem vontade!

Vamos acabar com o preconceito em relação aos Sex-Shops
(Isto não é um comercial).

Nestas lojas são vendidos excelentes recursos para proporcionarem sexo seguro, além de mecanismos para evitar a ejaculação precoce, para estimular a excitação, tanto da mulher como do homem, e ainda produtos que podem ser utilizados por aqueles que vivem sozinhos e precisam resolver suas necessidades sexuais.

Maria de Lourdes Micaldas
Revisão: Anna Eliza Führich


Pesquisar Vovô Ama Vovó

Para acessar matérias anteriores,
clique na caixa abaixo. 

 

Qual a sua opinião sobre esta matéria?
Envie suas críticas e sugestões.

Clique aqui

Deseja enviar esta página para um "Velho Amigo"?
Clique Aqui


<< Clique Aqui para voltar