Logomarca Velhos Amigos
INTERAÇÃO / NOSSAS VIDAS

O AMOR DE ARLETE E GILDER
publicado em: 21/08/2017 por: Lou Micaldas

Lou, tenho um relato a dar a ti.
Eu Arlete, Moro no Rio, e tenho 79 anos, breve serei uma mulher de 80 anos. Ao longo de 55 anos fui casada, mais marcada por uma repressão e dor no casamento.
 
É inacreditável o que falarei mais, poucas vezes na vida, soube o que era ser amada e gozar e ser mulher. Depois de perder o marido. Com 77 anos, estava cheia de problemas, doenças emocionais, físicas e etc...
Fiz de tudo e finalmente com o tempo, fui pela minha cabeça e decidi aproveitar um momento na vida.
 
Estive num baile de 3ª idade, ano passado, e depois de quase 40 anos, fui dançar com 2 amigas. Não queria ninguém e nada, mais o destino aconteceu. Com 77 anos, fui convidada por um rapaz, de 44 anos a dançar até aí, sem problema, e sempre quando ia ao baile, ele estava lá, e fizemos uma amizade normal, depois de meses, alguma coisa estava acontecendo comigo, senti um desejo, vontade e carinho de estar ao lado dele.
 
Nunca pensei que isso ia acontecer, e aconteceu algo numa noite, que a mais de 48 anos não acontecia comigo, encontrei-o lá e ele me beijou, abraçou, cumprimentou minhas amigas, e quando estava sentado na mesa, eu simplesmente fiquei molhada de prazer e tesão, por esse homem.
 
Nunca iria imaginar que isso aconteceria, mais a carência de quase 50 anos sem ser amada e desejada de maneira correta, fiquei assim. Claro que durante esse tempo, eu me tocava, mais foi diferente, até fiquei sem graça no baile, pois de calça branca, eu simplesmente fiquei encharcada mesmo de prazer por ele, me senti mulher, fêmea, com 77 anos, nunca senti isso na vida, mesmo casada.
 
Naquela noite, conversando a sóis , minhas amigas tinham ido embora, eu vi o carinho dele por mim e tomei a iniciativa, beijei-o na boca com muito gosto, amor e tesão, mais com muita, vontade e amor demais.
Depois, em um estado que nunca tive, meio desorientada, eu o chamei pra ir em minha casa, meio ainda temerosa. Dançamos, nos abraçamos demais, beijamos, me senti mulher de novo, estava em estado de desespero e insanidade de amar e ir para cama com aquele homem.
 
Mais eu segurei, ele me respeito durante algumas semanas, e mais sentimento, e prazer sentia por ele, vi o seu nível, sabia falar aquilo que uma coroa, ou uma mulher velha, como eu, adorava ouvir. E assim não resistindo, consumi o ato, esse homem simplesmente, me fez soltar uma loba, uma mulher, uma deusa, no amor e cama como nunca soltei com meu ex, ele me deixava em estado de pranto, naquele noite e depois de muitas outras, falei coisas que meu marido achava profano , soltei mesmo, já com quase 80 anos, fiz aquilo que estava no meu subconsciente, ele, me dava saltos altos vermelhos, pedia que usasse batom provocante, me dava lingeries novas, me sentia fêmea, mulher com 79 anos, e, Lou de mulher para mulher, como gozei com aquele homem, uma mulher de 79 anos com um homem de 45 anos, foi para mim e está sendo desesperador e enlouquecedor no amor, carinho e cama.
 
Esse homem provocou dentro de mim, eu uma velha já de 79 anos, com rugas, seios caídos, nádegas flácidas, celulite, me fez ser amada e sentir mulher, e eu também, via no semblante dele, o nível de prazer, esse homem chorava e berrava quando estava dentro de mim, que coisa delirante, uma mulher de 80 com um homem de 45 anos, sentimental e enlouquecendo ele de prazer na cama e no amor, é desesperador para uma mulher como eu carente, que foi machucada demais.
 
Não quis saber de sociedade, nada, só vejo esse homem, e com 79 anos, chegando aos 80 anos, tenho 10 orgasmos nessa idade, com um homem com meses de namoro e o sentimento, e carinho, é devastador pro corpo e alma de mulher como eu nessa idade e qualquer uma.
 
Vi que nunca é tarde, estamos com quase 1 ano de namoro, e com meus praticamente 80 anos, faço, esse homem ser amado, desejado e gozar muito e não pouco comigo, isso é devastador e enlouquecedor para nós mulheres que são chamadas de coroas ou velhas.
 
Ouvimos boleros, no quarto, colocamos colcha de cetim vermelha, pétalas de rosas na cama, falamos coisas devassas e amorosas misturadas um para o outro.
 
Estou me soltando cada vez mais, e tem muita coisa dentro de mim, presa ainda, quero agora no fim da vida é ser consumida pelo amor, carinho e prazer que tanto merecemos.
 
Esse homem chora fisicamente de prazer por mim, isso cada vez mais me desespera me completa, ando de mãos dadas, vamos aos bailes, e mau danço e já fico beijando muuuuiiiito... e depois de pouco tempo eu quero é cama, cama, cama, amor, carinho com esse homem.
 
Minhas dores, doenças, artrite, pressão alta, depressão, enxaqueca se foram, a única coisa que ficou foi uma mulher desesperada e enlouquecida que só quer ter esse homem, sempre dentro de mim, e me fazer soltar a ARLETE que sempre quis ser, a verdade é essa.
 
Quem sabe, não sei o destino com 90 anos, quem sabe, ainda estarei sendo muito mulher para esse homem, e não irei mais larga-lo , estamos já pensando em morar junto e depois casar, mais amor, prazer me espera.
 
Quero e sou mãe, avó, bisavó, mais sou Arlete, aquela mulher, que precisa, ser amada, desejada, tratada com amor, sentimento, carinho, ser devorada na cama, soltar palavras de amor, com palavras de excitamento, gritar bem alto, dar prazer a ele, ver ele chorar de sentimento e prazer por mim, usar salto alto vermelho, preto, branco, lingeries picante, espartilhos, usar brinquedos na cama, cheirosa, unhas, pintadas, cheio de batom na boca, provocativa, amorosa, carinhosa, safada, tesuda, mulher, amiga, amante, para o Gilder, é isso que só penso, agora Lou, estou vivendo.
 
Conto este relato a ti, e se quiser publique a todos e a todas as que estão com nossa idade e situação, que nunca, é tarde para amar, ser feliz e ser mulher e muito, porque precisamos. Arlete Silva - 79 anos, Rio de Janeiro.

Autor(a): Arlete Silva

 

CLIQUE AQUI PARA ENVIAR SUA OPINIÃO SOBRE ESTA MATÉRIA

 

 

 

 

 


VOLTAR
AO TOPO DA
PÁGINA